Entretenimento

Vargas Llosa recusa oferta para presidir o Instituto Cervantes

Getty Images
O escritor Mario Vargas Llosa se prepara para receber oNobel de Liberatura em Estocolmo durante cerimônia de entrega oficial (10/12/2010) Imagem: Getty Images

20/01/2012 07h48

Madri, 20 jan (EFE).- O escritor peruano  recusou pela segunda vez a proposta do Governo espanhol para presidir o Instituto Cervantes, mas reiterou sua disposição em continuar colaborando com a instituição, como faz há 16 anos.

A informação foi confirmada à Agência Efe por fontes do Governo, que revelaram que o Prêmio Nobel de Literatura 2010 enviou uma carta ao presidente do Executivo explicando sua decisão. Esta é a segunda vez que Vargas Llosa, de 75 anos, recusa o mesmo convite.

Na quarta-feira foi anunciado que o atual Governo de Mariano Rajoy havia proposto ao escritor assumir o Cervantes, criado em 1991 com o objetivo de promover a língua espanhola. Atualmente existem 77 unidades em 44 países nos cinco continentes.

Vargas Llosa era para o Executivo espanhol o candidato ideal para representar a língua espanhola no mundo todo: o escritor tem a nacionalidade espanhola desde 1993 e um grande prestígio internacional.

O convite foi feito pelo ministro das Relações Exteriores, José Manuel García-Margallo, e o titular da Educação e Cultura, José Ignacio Wert, que falaram da grande satisfação que seria para eles se o autor de "A cidade e os cachorros" aceitasse o cargo.

Durante dois dias Vargas Llosa, que está em Londres em uma visita particular, não havia se pronunciado sobre a oferta até a divulgação nesta sexta-feira a partir do Governo de sua decisão.

Esta é a segunda vez que o Prêmio Nobel recusa a oferta. Em 1996 o então presidente do Governo, José María Aznar, fez a ele proposta similar.

Naquela ocasião, o escritor argumentou que poderia servir "mais à Espanha, à cultura e ao Governo de Aznar, conservando a independência e liberdade" que tinha tido até então.

Agora, Vargas Llosa reiterou ao Executivo sua disposição em continuar colaborando com o Instituto Cervantes, do que é, há 20 anos, membro do Patronato, um órgão reitor cuja Presidência de honra é ocupada pelo rei Juan Carlos.

O escritor participou de inúmeras atividades do Instituto Cervantes como a viagem que fez há poucos meses para promover a língua espanhola no Japão e na China.

Grande renovador da narrativa em espanhol, os romances de Vargas Llosa seduziram milhões de pessoas no mundo.

Sua produção literária começou com obras emblemáticas como "A cidade e os cachorros", "A Casa Verde" e "Conversa na Catedral" nos anos 60, que deram passagem a "A guerra do fim do mundo", "O falador", "A festa do bode", "O paraíso na outra esquina" e mais recentemente a "Travessuras de uma menina má".

Este conjunto de obras o consagrou como um dos grandes escritores latino-americanos e o fizeram merecedor de inúmeros prêmios, que culminou com o Nobel recebido em 2010.

Suas qualidades como romancista, ensaísta, articulista e autor de peças de teatro já foram reconhecidos com outros prêmios como o Príncipe de Astúrias e Cervantes (1994).

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Mais Entretenimento

Topo