Entretenimento

Reconstrução do Haiti é esmiuçada em documentário brasileiro

11/01/2012 14h24

Rio de Janeiro, 11 jan (EFE).- Um documentário brasileiro sobre o Haiti, que traz um olhar otimista sobre a reconstrução do país, estreará nesta quinta-feira e coincidirá com o segundo aniversário do devastador terremoto que resultou na morte de 300 mil mortos.

Intitulado "Haiti 12 de janeiro", o longa-metragem é uma produção independente realizada pelo diretor brasileiro Cleonildo Cruz, o qual mostra dura realidade da população haitiana depois do terremoto do dia 12 de janeiro de 2010, mas deixa uma porta aberta à esperança.

"Não quero que o espectador fique com uma visão somente humanitária. Quero que eles percebam que o país pode ser reconstruído. Acredito na reconstrução desenvolvida pelo povo haitiano", afirmou Cruz à Agência Efe.

O documentário conta com dezenas de testemunhos de cidadãos haitianos e de estrangeiros que trabalham no país, incluindo autoridades, ONGs e militares da Missão da ONU para a Estabilização do Haiti (Minustah), uma operação liderada pelo Brasil e realizada em 2004.

O terremoto e a situação crítica que o Haiti viveu nos meses seguintes do incidente ocupam boa parte do longa-metragem, que, em seus minutos finais, planta um rápido esboço da situação política do país e conclui com as imagens da posse do presidente Michel Martelly, realizada no mês de maio de 2011.

O filme também volta no tempo para explicar o trabalho da Minustah nos bairros mais violentos de Porto Príncipe antes do terremoto. Em algumas sequências de imagens é possível visualizar intensos tiroteios entre os militares e grupos de delinquentes, as quais foram filmadas por um jornalista haitiano entre 2005 e 2006.

"Haiti 12 de janeiro" estreará de forma simultânea em quatro cidades: João Pessoa, Fortaleza, Salvador e Porto Alegre.

O diretor também pretende projetar seu documentário em algumas favelas do Rio de Janeiro, onde o Exército participa de tarefas de patrulha "similares" às que foram desempenhadas na missão de pacificação do Haiti.

"Há uma conexão entre os temas. Aliás, muitos dos soldados que participaram da ocupação das favelas em Rio serviram em algum dos contingentes do Haiti", explicou Cruz.

Em fevereiro, o diretor também exibirá seu documentário no Haiti, no bairro de Belair, em Porto Príncipe. Nesta "missão", Cruz contará com o apoio de uma ONG brasileira.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Mais Entretenimento

Topo