Entretenimento

Falsificador argentino revela em livro que salvou 3 mil judeus do nazismo

Agencia EFE

02/11/2011 06h06

Maricel Seeger.

Buenos Aires, 2 nov (EFE).- O argentino Adolfo Kaminsky salvou a vida de três mil pessoas durante a ocupação nazista na França por sua habilidade como falsificador de documentos, que pôs à disposição da resistência francesa, revela um livro publicado na Argentina.

"Adolfo Kaminsky, o Falsificador", escrito por sua filha, Sara Kaminsky, também cita seu trabalho para a Frente de Libertação Nacional (FLN) durante a guerra de independência da Argélia, seu auxílio na formação de antifranquistas na Espanha e sua ajuda a combatentes contra as ditaduras na Guatemala e na Grécia.

"Foram dois anos de pesquisa e 20 entrevistas para descobrir quem era Adolfo Kaminsky, já que eu que só conhecia meu pai. Às vezes, precisei do olhar dos outros para compreender suas escolhas, sua vida de falsificador, de clandestinidade, seus compromissos políticos", relata a autora.

Com apenas 17 anos, Kaminsky se tornou um especialista em falsificação graças a seus trabalhos em uma tinturaria, seus contatos com um vendedor de produtos químicos e sua própria intuição, que o levou a realizar vários testes com sucesso.

Com sua habilidade, Kaminsky conseguia fazer desaparecer o rastro da tinta e registrar novos dados de uma pessoa em um documento falso, descreve o livro, lançado na Argentina pela editora Capital Intelectual.

Os conhecimentos acumulados sobre falsificações aumentaram quase ao mesmo tempo em que o nazismo avançava na França, onde já morava havia vários com sua família e onde ainda vive este antigo membro da resistência.

Em 1943, o então jovem e sua família foram detidos e transferidos para o campo de concentração de Drancy, próximo a Paris, uma "antecâmara da morte" onde 77 mil prisioneiros, principalmente judeus, foram reagrupados antes de serem levados aos centros de extermínio nazistas.

Foi a ajuda do consulado argentino na França que permitiu a libertação de sua família depois de três meses de detenção, nos quais descobriu "os judeus e sua diversidade" e "através deles " se sentiu judeu, uma sensação que "nunca mais" o abandonou, conta no livro.

Rapidamente começaram os contatos com a resistência e sua instalação em um pequeno laboratório com fachada de ateliê no qual preparava centenas de documentos que, em muitos casos, se tornaram uma carta de salvação.

Kaminsky, filho de uma judia que morreu - segundo acredita - pelo nazismo, transmite no relato seu desespero para chegar a tempo de distribuir os documentos falsos nas casas das pessoas que horas mais tarde seriam deportadas.

Também conhecido como Julien Keller, Georges Vernet e Adrien Leconte, Kaminsky trabalhou durante mais de 30 anos na clandestinidade a favor dos judeus e de perseguidos políticos, até 1971.

"Os serviços de Polícia estavam atrás do rastro do falsificador de Paris, que encontrou um modo de produzir uma grande quantidade de documentos falsos, os quais muito rapidamente se espalharam por todo norte da França, até a Bélgica e a Holanda", afirma a biografia.

Os trabalhos de Kaminsky se estenderam mais tarde "aos sobreviventes dos campos de concentração que embarcaram clandestinamente para a Palestina entre 1946 e 1948", a serviço da FLN argelina, aos que lutavam na Guatemala contra o general golpista Carlos Castillo Armas e aos que "combatiam a ditadura dos coronéis" na Grécia. EFE

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo