Entretenimento

Exposição com cartazes de Miró aborda lado social e político do artista

19/10/2011 15h05

Barcelona, 19 out (EFE) - A exposição "Joan Miró. Carteles de un Tiempo, de un País" relata através de cartazes e desenhos todo o comprometimento social, intelectual e político do artista espanhol com a sociedade de seu tempo.

A mostra poderá ser vista no Museu de História da Catalunha, em Barcelona, até março de 2012. Como detalha o diretor Agustí Alcoberro, esse evento irá complementar a macro exposição da Fundação Miró, que vai destacar um lado mais comprometido das pinturas de Miró. Posteriormente, essa grande exposição viajará até Washington.

A exposição do Museu de História da Catalunha percorre inúmeras fases do artista, começando no ano de 1919 com a pintura que Miró fez para a revista literária "L'Instant", que não chegou a ser impressa. A mostra acompanha um dos momentos mais vivos do artista, tanto do ponto de vista ético e político quanto do puramente artístico, apresentando a maquete do selo "Aidez l'Espagne" (1937).

Deste mesmo período se destaca o cartaz "Femme Et Chien devant la Lune" (1935), que Miró fez para arrecadar fundos para a revista vanguardista "Síntesi".

A partir de 1966, com o cartaz em homenagem a Antonio Machado, e de 1968, com a celebração clandestina do 1º de Maio em Barcelona, Miró utiliza de maneira regular esta forma de expressão, que, como lembrou Alcoberro, "nunca foi considerada um gênero menor".

A criatividade dos cartazes de Miró teve seu momento mais intenso nos anos 70, coincidindo com o fim da ditadura espanhola e com os primeiros anos depois da morte do general Francisco Franco. Nessa época, os cartazes traziam reivindicações do direito à cultura e outros temas sociais.

Foi exatamente nessa década que Miró fez os cartazes das festas da Mercè de Barcelona (1968), do Congresso Jurídico Catalão (1971), da abertura e inauguração da Fundação Miró em Barcelona (1975-1976), além do conhecido "Volem l'Estatut" e o do Congresso de Cultura Catalã, ambos de 1977.

O curador da exposição, Xavier Antich, considera que o conjunto de cartazes "desfaz dois tópicos perigosos: a ideia de que a arte contemporânea vai à margem da sociedade, da política e da cultura, e a suposta ingenuidade e inocência de Miró, desmentidas por seu profundo conhecimento".

Para Antich, Miró sentia que "a responsabilidade cívica devia ser inerente ao artista". Neste sentido, Miró assumiu inúmeras iniciativas de apoio a diversas instituições e organismos internacionais de tipo humanitário.

Essa tendência do artista espanhol pode ser comprovada no desenho dos cartazes da Unesco para a aprovação da Convenção Internacional dos Direitos Humanos, submetida a votação em 1976, e o cartaz para Anistia Internacional, cuja venda foi destinada inteiramente para organização.  (por José Oliva)

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo