Topo

Entretenimento

Entre trauma, sexo e vida familiar, novo livro de Charlotte Roche, autora de "Zonas Úmidas", surpreende

Divulgação
A escritora inglesa radicada na Alemanha, Charlotte Roche (2009) Imagem: Divulgação

Rodrigo Zuleta

03/09/2011 06h04

Berlim, 3 set (EFE).- Uma história conjugal que oscila entre o erotismo aberto e um espaço dedicado à imagem conservadora da família, "Schossgebete", voltou a posicionar a escritora alemã Charlotte Roche entre os autores de maior sucesso em seu país, onde seu anterior romance chegou a ser qualificado como "meramente pornográfico".

Após mais de um milhão de exemplares vendidos do seu primeiro livro "Feuchtgebiete" ("Zonas Úmidas", na versão brasileira), o segundo, "Schossgebete", cujo título pode ser traduzir como "Orações de Colo", também arrasa e já lidera as listas de best sellers.

As resenhas coincidem em descrever que nesta segunda obra se encontra uma Charlotte Roche muito mais complexa e profunda que o que muitos tinham imaginado.

Em uma primeira descrição do romance se pode dizer que em algumas ocasiões parece que como se tivesse feito a partir de uma fusão de fragmentos do Kamasutra ou de outros manuais eróticos com passagens de livros de gastronomia, ensaios sobre a educação infantil e alegações contra o feminismo.

A grande dama do feminismo alemão, Alice Schwarzer - que no romance é vista como alguém que esteve à beira de traumatizar a vida sexual da protagonista - já teve a oportunidade de expressar sua indignação.

O romance começa com uma descrição detalhada e comentada de um sexo oral que se estende durante cinco páginas após a qual a narradora conta que é excessivamente pudica e que antes do sexo, checa se todas as portas e as janelas estão fechadas, pois tem pânico que seus vizinhos a escutem.

A confissão por parte da narradora surpreende o leitor que até esse momento assistiu a uma performance sexual que inevitavelmente remete ao primeiro romance de Charlotte Roche.

No entanto, depois de outras páginas de minuciosas explicações de como ela alcança o orgasmo junto com seu parceiro, termina por constatar que essa vida sexual é só parte do que a narradora considera um casamento ideal.

A desinibição sexual, que a narradora mostra na cama e da qual dá conta extensamente, é o resultado de uma libertação de estereótipos que foi imposta por uma educação feminista - sua mãe aparece quase como um dublê de Alice Schwarzer.

A busca pelo casamento perfeito, além disso, termina revelando-se como o desejo de encontrar algo seguro em um mundo que se sente como ameaçador. Por trás disso há um drama e um trauma: a morte de três irmãos da narradora em um acidente de carro há muitos anos que, no entanto, continuam perseguindo-a.

Elizabeth Kiel, esse é o nome da narradora protagonista, é uma mulher cheia de medos e paranoias e só consegue se libertar na cama. O sexo serve para tentar construir um mundo sólido. Para manter vivo o desejo - tanto o seu como o de seu marido - a narradora recorre inclusive a visitas conjuntas a bordéis, que não são bem-vistas por seu terapeuta quando diz que, tenta limpar sua "psique asquerosa" em prol do futuro de seu casamento e da sua família.

No fundo - e Charlotte Roche confirmou em várias entrevistas - o que há no livro é um acerto de contas com a geração de 1968. Com o feminismo que, diz a narradora, a ensinou a ver os homens como inimigos, e ser contra as relações de família instáveis.

A partir daí, muitos deram um olhar retrospectivo a "Zonas Úmidas" que agora é visto como uma tentativa de recuperação da naturalidade sexual contra os dogmas de certos setores do feminismo que pretendiam declarar as relações heterossexuais como uma forma de dominação.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento