Entretenimento

Um século depois, motivo do roubo da Mona Lisa é ainda um mistério

Jean-Pierre Muller/AFP
"Mona Lisa", quadro de Leonardo da Vinci no Museu do Louvre em Paris, França Imagem: Jean-Pierre Muller/AFP

21/08/2011 22h07

Paris, 20 ago (EFE).- Em 21 de agosto de 1911, o quadro mais contemplado da história, La Gioconda ou Mona Lisa, desapareceu do Museu do Louvre, e embora tenha sido recuperado dois anos depois em Florença, a cidade na qual se acredita que Leonardo da Vinci o pintou entre 1503 e 1506, o motivo do roubo ainda não foi esclarecido.

O que se sabe é que o autor material foi um operário italiano morto em 1925, Vincenzo Peruggia, que tinha feito trabalhos no museu.

Peruggia, que conseguiu tirar o quadro do Louvre com total facilidade, foi detido dois anos depois em Florença quando tentava vendê-la ao antiquário Alfredo Geri, que alertou a Polícia.

O ladrão assegurou que tinha agido sozinho para devolvê-la a seu país de origem, onde ele achava que tinha sido roubada.

O Comitê Nacional para a avaliação dos Bens Históricos, Culturais e Ambientais da Itália, que comemorará o centenário da recuperação, ao contrário das instituições francesas, anunciou que pedirá oficialmente sua mudança para Florença em 2013.

Apesar de o nome do ladrão ter ficado sempre claro, nunca se soube quem foi o "autor intelectual".

Entre os suspeitos figuraram o poeta francês Guillaume Apollinaire e o pintor espanhol Pablo Picasso, potenciais interessados em destruir a obra, críticos como eram então dos museus e da arte oficial.

Defensor da queima de obras-primas, o poeta foi detido e preso na prisão da Santé de Paris, enquanto Picasso foi interrogado pela Polícia sobre o desaparecimento do quadro de Da Vinci.

Picasso, um apaixonado pela arte primitiva, e Apollinaire foram relacionados igualmente ao roubo de algumas figuras iberas no Louvre.

Para sorte de ambos, as pistas foram múltiplas. A passagem do tempo acabou dirigindo as especulações para outros autores.

Alguns especialistas atribuem o suposto aristocrata argentino Eduardo de Valfierno a incumbência a Peruggia do roubo.

Valfierno teria pedido a um virtuoso falsificador seis cópias do quadro, com o objetivo de roubar outros tantos milionários que pensariam que estavam em posse da obra roubada.

"Na minha opinião nada disso é verdade", diz à Agência Efe o autor de "Une femme disparaît. Le vol de la Joconde au Louvre en 1911" (Uma mulher desaparecida. O roubo da Gioconda no Louvre em 1911), Jérôme Coignard, que, se baseando em artigos publicados em 1915 por Georges Prade, acredita que o autor intelectual foi um misterioso bandido alemão traficante de arte, Otto Rosenberg.

O Louvre informa que "o roubo foi descoberto no dia 21 agosto de 1911" pelo pintor Louis Béroud, que alertou os guardas do museu.

Alguns estudiosos asseguram que os atentos já haviam detectado o espaço vazio deixado no muro horas antes, inclusive um dia antes, dando o alerta, mas pensaram que tinha sido mudada para o recém estreado departamento de fotografias.

A incredulidade e a indignação percorreram o mundo da arte e seus amantes quando seu desaparecimento foi divulgado.

A Sociedade de Amigos do Louvre, que também não organiza comemoração alguma do aniversário, ofereceu em 1911 uma grande recompensa monetária a quem ajudasse a localizar o quadro, uma soma que acabou recebendo o antiquário italiano que alertou a Polícia.

Frente às múltiplas especulações que circulam sobre a chegada à corte francesa do quadro, o Louvre assinala que, "aparentemente, Leonardo da Vinci o trouxe para a França e um aluno e herdeiro o devolveu à Itália", mas se ignora como a obra voltou para a coleção de Francisco I, em cuja corte da Vinci (1452-1519) desempenhou seu talento nos últimos anos de sua vida.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo