Topo

Entretenimento

Murdoch pede perdão enquanto seu império global balança

16/07/2011 09h32

Patricia Souza.

Londres, 16 jul (EFE).- Rupert Murdoch pediu desculpas neste sábado pelo escândalo dos grampos telefônicos em seu conglomerado de comunicação em uma tentativa desesperada de controlar a espiral que ameaça seu império e que em 24 horas custou a cabeça de dois altos executivos.

"Pedimos desculpas", diz uma mensagem pessoal publicada neste sábado por Murdoch de página inteira em sete jornais do Reino Unido, a três dias de comparecer diante da Câmara dos Comuns para falar sobre as escutas ilegais de políticos, famosos e até vítimas de crimes do já extinto tablóide "News of the World".

O presidente e executivo-chefe da "News Corporation", que reúne veículos como os americanos "Fox Television" e "Dow Jones" e os britânicos "The Times" e "The Sun", admite em sua mensagem que atuaram tarde, reconhece que "pedir perdão não é suficiente" e promete "medidas concretas" iminentes em resposta à crise.

É a segunda demonstração de humildade do empresário, de 80 anos, depois de na véspera pedir desculpas pessoalmente à família de Milly Dowler, uma menina assassinada que teve seu celular grampeado pelo dominical "News of the World" em busca de informações exclusivas.

A divulgação dessa notícia, no dia 4 de julho, desencadeou a grave crise do império Murdoch, investigado em ambos os lados do Atlântico por práticas jornalísticas ilegais e que em uma semana teve de renunciar ao dominical e ao interesse da compra total do canal de televisão britânico "BSkyB".

Nos Estados Unidos existe uma investigação por supostas escutas ilegais a vítimas do 11 de setembro, ataque terrorista de 2001. Já no Reino Unido serão abertos processos policiais, judiciais e de ética jornalística pelo escândalo.

Nesta sexta-feira, o último capítulo do drama teve nomes próprios, os da britânica Rebekah Brooks e o americano Les Hinton, dois de seus mais estreitos colaboradores que Murdoch sacrificou após 22 e 52 anos de serviços prestados, respectivamente.

Brooks, que dirigia o "News of the World" na época das escutas, coordenava agora a "News International", braço britânico do grupo e Hinton, que ocupou esse posto no passado, atuava como presidente da agência "Dow Jones" e editor do "The Wall Street Journal".

Suas saídas deixam sozinho diante da crise o magnata e seu filho James Murdoch, de 38 anos e atual presidente na Europa da "News Corporation", após ter dirigido a "News International" entre 2007 e 2009.

O escândalo dos grampos telefônicos do dominical "News of the World" tem ramificações jornalísticas, políticas, judiciais e econômicas.

Vários supostos envolvidos estavam muito perto do poder, especialmente Andy Coulson, chefe de imprensa do primeiro-ministro, David Cameron, que renunciou em janeiro pelo escândalo. Ele foi detido há uma semana e está em liberdade condicional.

O jornal "The Independent" publica nesta sábado que Cameron reuniu-se 26 vezes com executivos da "News Corporation" nos 15 meses em que está no poder, entre eles o próprio Rupert Murdoch, seu filho James, Rebekah Brooks e Coulson, quando este já havia renunciado.

O convite a Coulson foi algo "normal e humano" por parte do primeiro-ministro, opinou neste sábado o titular de Relações Exteriores britânico, William Hague.

Os meios de Murdoch, especialmente o sensacionalista "The Sun", o tablóide mais vendido do Reino Unido, apoiaram o conservador Cameron em sua campanha eleitoral.

Desde o recrudescimento do escândalo, os tories distanciaram-se de Murdoch e foram os trabalhistas os encarregados de botar lenha na fogueira.

Neste sábado, o ex-vice-primeiro-ministro trabalhista John Prescott, um dos espionados pelo "News of the World", diminuiu a importância do pedido de desculpas público de Murdoch e o relacionou com a proximidade de seu comparecimento ao comitê dos Comuns.

"Estamos falando de um homem desesperado para salvar sua empresa e que teme o afundamento de seu império", disse Prescott à rede pública britânica "BBC".

Os dois Murdoch e Rebekah Brooks deverão apresentar-se na terça-feira, dia 19 de julho, ao Comitê de Meios de Comunicação da Câmara dos Comuns para explicar as atividades jornalísticas ilegais do "News of the World".

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento