Entretenimento

Milhares de cidadãos forçam Governo polonês a investir mais em cultura

05/06/2011 10h04

Varsóvia, 5 jun (EFE) - A luta dos chamados "Cidadãos pela cultura" conseguiu reunir mais de 100 mil assinaturas e forçar o primeiro-ministro polonês, Donald Tusk, a assinar um compromisso para aumentar a verba destinada à cultura até o mínimo de 1% do orçamento, para promovê-la como motor da sociedade.

O pacto é o primeiro acordo firmado por Governo polonês com os cidadãos desde a década de 80, quando o Executivo concordou que a cultura não é só arte e criatividade, mas um elemento-chave para melhorar a vida dos indivíduos e garantir o futuro do país, explicou à Agência EFE a vice-diretora do Museu Nacional da Polônia, Beata Chmiel.

Chmiel é uma das incentivadoras do movimento "Cidadãos pela cultura", do qual fazem parte figuras como a poetisa Wislawa Szymborska, prêmio Nobel de Literatura, e o compositor Krzysztof Penderecki, junto a milhares de poloneses anônimos.

"Não se trata do problema de um grupo de artistas, mas a promoção da cultura é uma questão nacional apoiada por pessoas de todo os tipos, pessoas que entendem que a finalidade real da cultura é mudar a vida das pessoas", acrescenta Chmiel.

O pacto prevê o aumento progressivo do orçamento do Ministério da Cultura até alcançar o mínimo de 1% em 2015, o que superaria o exíguo 0,5% destinado atualmente e tiraria a Polônia do fim da fila na União Europeia quanto a investimentos em cultura.

Os "Cidadãos pela cultura" denunciam que o número de pessoas que não têm acesso à cultura aumentou na Polônia nos últimos anos, o que se traduz no avanço do analfabetismo funcional e em um freio ao desenvolvimento do capital intelectual da sociedade.

Ao mesmo tempo, a "grande cultura" polonesa desfruta de um sucesso sem precedentes, com o cinema, o teatro, a música e a literatura da Polônia fazendo sucesso em todo o mundo e afastada dos cidadãos menos abastados.

"A chave é desenvolver o capital humano", assinala Chmiel, que considera evidente que, em um futuro onde serão menos necessários os trabalhadores físicos, é preciso contar com pessoas capazes de desenvolver suas habilidades e serem partes ativas da sociedade.

Uma das prioridades deste pacto pela cultura é promover a leitura para construir uma atitude criativa, ativa e cívica que, definitivamente, permita aos cidadãos participarem da cultura e relacionarem-se civicamente.

"Temos de entender que o livro não é um instrumento de opressão, e sim uma ferramenta que dá perspectiva", afirma Chmiel.

No próximo verão - no Hemisfério Norte -, a Polônia assumirá a presidência rotativa da UE e, em 2016, uma cidade polonesa e outra espanhola compartilharão o título de capital cultural europeia, uma oportunidade que muitos cidadãos querem aproveitar para situar a cultura como uma prioridade.

Para Beata Chmiel, o desenvolvimento da cultura na sociedade é tão valioso que pode ajudar a mudar a mentalidade polonesa, culpada, em sua opinião, de muitos dos problemas políticos vividos pelo país, da incapacidade para tirar vantagem dos fundos europeus e inclusive das derrotas no futebol.

"Os poloneses não foram ensinados a trabalhar em equipe, a entender a solidariedade, e tudo isto pode mudar se investirmos em capital humano e em cultura, não só em infraestrutura", avaliou.

Por enquanto, a insistência de milhares de cidadãos como Chmiel conseguiu influenciar as altas esferas da política, um passo decisivo em uma sociedade jovem e com energia que não quer cometer os erros da velha Europa. (Nacho Temiño)

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo