Entretenimento

Imprensa e publicidade enfrentam desafio da digitalização

01/06/2011 22h04

Miami, 1 jun (EFE).- Os meios de comunicação e empresas de publicidade devem assumir novos modelos de negócio que adotem um "processo de digitalização", se quiserem concorrer com sucesso em seus respectivos setores, informaram nesta quarta-feira vários especialistas em Miami.

"O que acontece é que gerou uma crise estrutural no setor de imprensa e publicidade", fruto de um "processo de digitalização" que acarretou uma transformação profunda do mercado, disse Marcos Baer, presidente da Portada, empresa líder de informação e análise de imprensa.

Por isso, o "grande desafio" de ambos os setores consiste em criar "novos modelos de negócio que se sustentem em processo rumo à digitalização", afirmou Baer.

Baer abriu nesta quarta-feira a Cúpula Latino-Americana de Mídia e Publicidade 2011, uma plataforma proposta para ajudar profissionais do setor da publicidade a compreender e a atrair o interesse dos consumidores latinos.

O presidente da Portada declarou na conferência de dois dias que, de cem anunciantes que perdem os meios de comunicação tradicionais, metade desiste em benefício da publicidade digital.

O empresário destacou as mudanças de hábito no "comportamento do consumidor" de países industrializados, também do latino-americano em 40% da população.

Além disso, os conteúdos de mídia digital são "em sua maioria gratuitos e a publicidade na internet está num bom aumento, apesar de não substituir o declínio da publicidade no papel e na televisão".

Sob o lema "América Latina: assumindo um lugar central no mundo", a conferência reúne 400 profissionais do setor da publicidade, mídia e conteúdos que abordam as principais questões da área, como consequências das mudanças.

Durante a conferência, foram analisados novos modelos de comércio na América Latina, através de tablets e smartphones e como estes propõem à classe média emergente hispano-americana.

Um exemplo na América Latina deste segmento da população é a classe média emergente brasileira, que cresce de forma muito rápida, com cerca de 100 milhões de consumidores, disse Jimena Urquijo, diretora de Desenvolvimento de Negócio de Kantar Media.

O problema, na opinião de Jimena, é que os níveis de educação são baixos e "as mensagens publicitárias apelam para as emoções" dos consumidores da classe média ("que preferem "exibir marcas como símbolo de status social"), antes da "informação e do raciocínio".

Para Bob Oliva, diretor de desenvolvimento de negócio da Portada, outro aspecto essencial sobre o mercado hispânico nos EUA é que este é considerado um "país à parte com sua própria identidade" pelas empresas de marketing.

Oliva se aventurou a dizer que tanto o tablet, como o iPad, vão revolucionar tudo: por meio deles é possível ler jornal, assistir à televisão, escutar rádio e até falar por telefone".

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo