PUBLICIDADE
Topo

Entretenimento

Museu egípcio é fechado pelos protestos na praça Tahir

09/04/2011 14h25

Cairo, 9 abr (EFE).- O ministro de Antiguidades egípcio, Zahi Hawass, fechou neste sábado o Museu Egípcio do Cairo como medida de precaução pelos recentes protestos na praça Tahrir e os distúrbios que nesta madrugada causaram um morto e 71 feridos.

Hawass declarou que os últimos incidentes entre membros do Exército e os manifestantes não afetaram o museu, mas que os acessos ao prédio foram fechados por precaução, informou a agência de notícias egípcia "Mena".

O arqueólogo afirmou que a decisão de reabrir o museu será tomada em coordenação com as Forças Armadas e levando em conta o desenvolvimento da situação na praça Tahrir.

Por sua vez, "Mena" informou que dezenas de manifestantes jogaram pedras contra o museu após escutarem os disparos em uma praça próxima, após uma discussão entre os manifestantes e a Polícia nos arredores do prédio.

Centenas de manifestantes discursaram dizendo que a manifestação em Tahrir é pacífica.

Inúmeros grupos de manifestantes formaram comitês populares para proteger o museu de qualquer agressão, como ocorreu durante a revolução de 25 de janeiro, quando foram registrados roubos no prédio.

Em Tahrir, epicentro da revolução que colocou fim ao regime de Hosni Mubarak, o ambiente é tenso desde essa madrugada devido à repressão a manifestação, por isso que milhares de pessoas se congregam no local em sinal de protesto.

Entretenimento