Entretenimento

Diretores ibero-americanos querem maior cooperação mútua

04/04/2011 21h14

Chicago (EUA), 4 abr (EFE).- Cineastas de Brasil, México, Argentina e Espanha defenderam nesta segunda-feira, durante o Festival de Cinema Latino de Chicago, uma maior cooperação dentro do cinema ibero-americano e que os filmes de seus países sejam mais universais e se afastem dos temas mais exóticos.

Um dos grandes problemas do cinema da América Latina, da Espanha e de Portugal é que não conseguem ser exportados com facilidade para países de seu próprio âmbito linguístico e cultural, destacaram o brasileiro Eduardo Vaisman, os argentinos Miguel Cohen e Enrique Gabriel e o mexicano Alejandro Springall.

O Brasil está em pleno processo de transição de um cinema social a um cinema que também pode narrar dramas humanos de classe média e que poderiam ocorrer em qualquer parte do mundo, disse Vaisman, diretor de "180º", que está sendo exibido nesta segunda no festival.

"Nos últimos 20 anos, o cinema brasileiro conquistou o mundo com filmes de uma forte temática social, centradas na pobreza, na vida nas favelas, e no tráfico de drogas", explicou o brasileiro.

No entanto, há cinco anos, vem sendo aberto no país caminho para um cinema que fala de dramas humanos universais, como o que protagoniza o filme que Vaisman levou ao festival.

"Nós, latino-americanos, só assistimos a cinema nacional e americano, de modo que é mais fácil ver um filme mexicano em Nova York ou na Europa que nas armações para cartazes de Buenos Aires", lamentou Cohan, cuja estreia, "Sin Retorno", abriu na sexta-feira a 27ª edição do evento.

Outro dos desafios é superar o rótulo de "cinema exótico de países distantes", nas palavras do argentino, e alcançar uma maior universalidade nos temas que trata.

Para Springall, que apresentou no domingo seu novo filme "No eres tú, soy yo", é "terrível" que os criadores ibero-americanos não tenham podido articular um mercado regional.

Assim, para o mexicano, o cinema do México se enfoca em dois públicos naturais: o do próprio país e o dos mexicanos que vivem nos EUA.

Essa dinâmica histórica vivida pelo cinema latino não será fácil de mudar, segundo Enrique Gabriel, diretor argentino que fez sua carreira na Espanha e que no domingo teve seu último filme, "Vidas pequeñas", exibido em Chicago.

"Jamais conseguiremos 'panamericanizar' o cinema latino porque o modelo comercial majoritário moldou os gostos dos espectadores de todo o mundo à narração de Hollywood, que se impõe em todos os países", argumentou.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Mais Entretenimento

Topo