Entretenimento

Dior anuncia que demitirá John Galliano

01/03/2011 12h47

Paris, 1 mar (EFE).- A grife Christian Dior anunciou nesta terça-feira que iniciou os trâmites para demitir o estilista britânico John Galliano, após a difusão de um vídeo no qual, em evidente estado de embriaguez, afirma que "ama Hitler" em um bar parisiense.

A Dior, que pertence ao grupo LVMH, para qual Galliano trabalha como diretor artístico desde 1996, indicou em comunicado que tomou essa decisão depois do vazamento de um vídeo no qual o costureiro insultava clientes de um bar.

A gravação chegou à imprensa dias depois que outros clientes do mesmo bar denunciaram o estilista, nascido em Gibraltar em 1960, por uma suposta tentativa de agressão e por pronunciar supostos insultos antissemitas.

Após esse incidente, que foi seguido pela detenção de Galliano, a grife "suspendeu imediatamente suas relações com o estilista, à espera dos resultados da investigação", assinala a nota da Dior.

"Hoje, por conta do caráter particularmente odioso do comportamento e das declarações de John Galliano em um vídeo divulgado na segunda-feira, a Dior decidiu afastá-lo imediatamente e iniciar um processo de demissão contra ele", acrescenta o comunicado.

O máximo responsável da Dior Couture, Sydney Toledano, condenou na nota as declarações do estilista e assegurou que estão "em total contradição com os valores essenciais que sempre foram defendidos" pela marca.

Galliano negou nesta segunda-feira à Polícia as acusações do casal que o denunciou na quinta-feira passada, uma linha que, segundo a imprensa francesa, foi sustentada por outras testemunhas.

No entanto, o depoimento aconteceu enquanto começava a circular na internet um vídeo publicado pelo jornal "The Sun" no qual se vê o até agora estilista da Dior dizer que "ama Hitler".

Trata-se de uma gravação feita por outros clientes do mesmo bar "La Perle", no bairro do Marrais parisiense, desta vez em dezembro de 2010.

"I love Hitler", diz o guru da moda, visivelmente alcoolizado em um vídeo no qual provoca uma cliente do bar: "As pessoas como você estariam mortas".

Após o comparecimento de Galliano, de 50 anos, e das testemunhas à Polícia, a Promotoria pediu que fossem realizadas mais investigações antes de levar o caso à Justiça.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo