Entretenimento

Exposição em Nova York resgata magia do Teatro Apollo

08/02/2011 16h32

Nova York, 8 fev (EFE).- Os rostos e sons que fizeram do Teatro Apollo o berço da música negra no bairro nova-iorquino do Harlem voltam à tona a partir desta terça-feira em uma exposição que analisa o impacto da mítica sala de concertos da cultura popular americana.

Fotografias, gravações, vídeos, instrumentos e roupas de James Brown, Miles Davis e Michael Jackson estarão expostos ao público até o dia 1º de maio no Museu da Cidade de Nova York para lembrar a história do Apollo, onde foram lançados nomes tão indispensáveis como Ella Fitzgerald e Billie Holiday.

"É uma exposição absolutamente brilhante. Além disso, é como uma lição: podem ser vistos fragmentos de nossa história que poucos conhecem e que devem ser preservados", disse à Agência Efe a diva do soul Dionne Warwick - intérprete de músicas tão conhecidas como "I say a little prayer" e "Don't make me over" - que compareceu ao evento.

Dionne é uma das chamadas "lendas do Apollo", cenário que impulsionou sua carreira - e a de tantos outros artistas - ao topo dos rankings de discos mais vendidos. Ela afirma ter feito sucesso com "a confiança que é preciso ter sobre o palco".

Para ela, no entanto, "o grandioso do Apollo" é que ele ensinou gerações de fãs "a amar a música" graças às apresentações "dos grandes, das autênticas lendas", como Nat King Cole, Duke Ellington e James Brown.

"Eu não posso imaginar um mundo sem música. O Apollo foi capaz de capturar isso e de incluir todo o mundo que passou por ali. É algo magnífico", declarou Dionne, que percorreu a exposição prestando atenção a cada detalhe. "É para explicar a meus netos".

A exposição "Ain't Nothing Like the Real Thing" relembra os grandes momentos do Apollo, desde que surgiu em 1934 e fez história ao permitir o acesso ao recinto da comunidade afro-americana, até os eventos mais recentes que voltaram a situá-lo na primeira linha da mídia.

Entre eles, destaca-se sobre os demais a morte de Michael Jackson em 2009, uma tragédia que transformou o Teatro Apollo em ponto de peregrinação para os fãs do músico em Nova York. A sala foi palco de um histórico show dos Jackson Five em 1969, tornando-os sensação nacional, tendo o menino Michael como protagonista.

A exposição mostra numerosas imagens e objetos de Michael, como um chapéu do astro, além de lembranças de outros artistas, como uma roupa de James Brown, um vestido de Ella Fitzgerald, os trompetes de Louis Armstrong e Miles Davis e os sapatos que Sammy Davis Junior usou quando criança.

A mostra, que também apresenta reproduções do icônico letreiro de neon que promove o nome do Apollo na rua 125 do Harlem, inclui discos de grupos como Earth Wind and Fire, Aretha Franklin e Bill Cosby.

Mas também há imagens de protestos e manifestações nas ruas do Harlem - coração negro de Manhattan - que refletem o impacto social repercutido como reduto da música negra.

Há até mesmo uma fotografia do atual presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que em 2007, quando recém-lançada sua campanha à Presidência, elegeu o Apollo para ter contato com a comunidade afro-americana da Big Apple.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo