Entretenimento

Arquiteto japonês busca equilíbrio na profissão através de trabalho solidário

28/12/2010 06h02

Maribel Izcue.

Tóquio, 28 dez (EFE).- O japonês Shigeru Ban, que se transformou em um famoso arquiteto através de obras emblemáticas, tenta obter equilíbrio em sua profissão através de trabalhos solidários em países como Haiti, Ruanda, Turquia e Índia.

O arquiteto, autor, entre outros edifícios, do Centro Pompidou-Metz, e júri do prêmio Pritzker (considerado o "Nobel" de Arquitetura) entre 2006 e 2009, construiu este ano cerca de 50 casas provisórias para famílias de Porto Príncipe que ficaram desabrigadas após o terremoto que devastou o Haiti em janeiro.

E ele as construiu com o material que é sua marca registrada: o papel, ou mais concretamente cilindros de papelão que, após receber um tratamento com poliuretano, transformam-se em uma sólida base para a construção de casas temporárias com um custo mínimo.

"O principal desafio no Haiti foi logístico", destacou Ban, de 53 anos em entrevista à Agência Efe de seu escritório em Tóquio, sentado em uma cadeira construída com papelão.

Ele ressaltou que no Haiti contou com o apoio de cerca de 25 estudantes da República Dominicana, que os ajudaram a construir as casas temporários, habitadas desde setembro.

Seu trabalho em Porto Príncipe não foi sua primeira experiência em lugares devastados: em 1994, após conhecer as míseras condições dos deslocados em Ruanda, o arquiteto passou a trabalhar para a Agência da ONU para os Refugiados (Acnur).

Assim, seu trabalho no país africano teve início em 1995 com o objetivo de oferecer moradia aos mais necessitados, construindo casas com materiais considerados inusitados, entre eles o papelão.

Outros lugares aos quais Ban levou sua inovadora arquitetura solidária foram Kobe, no Japão, devastada após o grande terremoto de 1995, Turquia em 1999, Índia em 2001, Sumatra em 2004, Sichuan (China) em 2008 e L'Aquila (Itália) em 2009.

Sua próxima meta é abrir uma fábrica para produzir em série as casas temporárias, mas Ban ainda está procurando um lugar para instalá-la, que, segundo ele, seria "algum país como Bangladesh".

Ele já até fez a proposta ao bengalês Muhammad Yunus, Nobel da Paz em 2006, cujo apoio impulsionaria um projeto para criar "refúgios prontos para serem usados imediatamente após os desastres naturais", e, ao mesmo tempo, úteis "para melhorar as condições de vida nos bairros de favelas".

Para Ban, a arquitetura deve contribuir para melhorar a sociedade, apesar de, segundo ele, tradicionalmente os arquitetos trabalharem para "mostrar o poder e o dinheiro das pessoas privilegiadas através de suas construções".

"Isso não era o que eu realmente queria fazer, portanto tive que buscar meu próprio equilíbrio", ressalta o arquiteto, reconhecido com prêmios internacionais, entre eles uma medalha da Academia de Arquitetura da França.

Por isso, durante sua carreira, combinou a criação de edifícios como o Pompidou-Metz, inaugurado este ano na França, com suas pesquisas sobre o uso e a resistência de materiais baratos como seus famosos cilindros de papelão.

Em 1986, após se formar nos EUA, utilizou esses cilindros para uma exposição do arquiteto finlandês Alvar Aalto no Moma; e passou a fazer diversas construções com esse material no Japão e, em 2000, o pavilhão japonês para a Expo de Hannover foi todo construído com material reciclável.

Ban reconhece que não tem tempo livre, mas diz que não precisa: "Gosto do que faço", afirmou este mestre da arquitetura que, quando criança, sonhava em ser carpinteiro.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo