PUBLICIDADE
Topo

Morre espião da CIA que resgatou diplomatas fingindo ser cineasta e inspirou filme de Ben Affleck

O ex-agente da CIA Tony Mendez - Getty Images
O ex-agente da CIA Tony Mendez Imagem: Getty Images

21/01/2019 07h33

Conhecido por liderar missão que salvou seis diplomatas após tomada da Embaixada americana em Teerã na Revolução Iraniana, Tony Mendes morreu no domingo aos 78 anos.

O ex-agente da CIA Tony Mendez, que inspirou o filme Argo, vencedor do Oscar em 2013, morreu neste domingo aos 78 anos.

Ele sofria da mal de Parkinson havia alguns anos. Enquanto foi agente da CIA, a agência central de inteligência dos Estados Unidos, Mendez se especializou em disfarces, falsificações e resgates.

Sua missão mais famosa foi em 1980, quando posou de cineasta fazendo um filme no Irã e conseguiu resgatar seis diplomatas americanos que estavam ilhados na Embaixada canadense em Teerã.

Os americanos estavam abrigados ali depois que um grande grupo de estudantes e militantes islâmicos atacou a Embaixada dos Estados Unidos, mantendo 52 funcionários e diplomatas americanos como reféns - causando uma grave crise diplomática entre EUA e Irã.

A Embaixada americana foi tomada por 444 dias. Os estudantes, que apoiavam a Revolução Iraniana de 1979, exigiam que os EUA entregassem o xã do Irã para que este fosse levado à julgamento. O auge da crise veio em abril de 1980, quando os EUA tentaram resgatar os reféns em uma fracassada operação militar - que resultou na morte de 8 soldados e um civil iraniano.

Mendez conseguiu contrabandear os diplomatas que estavam na Embaixada canadense dando-lhes passaportes do Canadá e ensinando-os a posar de membros da equipe que estava no país fazendo um filme de ficção científica (que não existia), chamado "Argo".

Com ajuda do Canadá, o grupo conseguiu enganar a segurança iraniana e embarcar em um voo para Zurique, na Suíça.

Ben Affleck, que dirigiu e atuou no filme Argo, que conta a história, disse que Mendez é um "verdadeiro herói americano".

"Ele era um homem de graça, decência, humildade e gentileza extraordinárias", disse Affleck em um post no Twitter.

"Ele nunca buscou fama por suas ações, apenas queria servir o seu país."