Topo

Entretenimento

O fotógrafo que ajudou o pai a se recuperar após cirurgia o transformando em "vilão de James Bond"

Arquivo Pessoal
Depois de três anos, o visual de 'vilão' já tinha desaparecido Imagem: Arquivo Pessoal

02/12/2018 20h51

Após uma cirurgia no cérebro em 2015, o americano Ed Fieder ficou com uma enorme cicatriz na lateral da cabeça. A doença que o levou à operação - um aneurisma - fez com que sua família ficasse muito assustada na época, segundo o filho de Ed, Edward Jr.

"Chegou um momento em que (os médicos) nos disseram para nos despedir", afirma Edward Jr. Mas três anos depois seu pai estava completamente recuperado, para a felicidade da família.

O episódio, no entanto, deixou o pai com uma marca bem visível. Em vez de tentar cobri-la, Ed deixou que o filho, que é fotógrafo e personal trainer, tirasse uma foto.

A família Fieder resolveu lidar com a situação com senso de humor. Ed, que é grande fã de filmes do personagem James Bond, aceitou posar como vilão, e adotou até um apelido: "Stitches" (pontos, em inglês).

Arquivo Pessoal
Depois da cirurgia, a família de Ed tirou uma foto com o jogo "Operação" para um cartão de Natal Imagem: Arquivo Pessoal

Nessa semana Edward Jr. viu a foto de alguém que também tinha ficado com uma cicatriz na cabeça após cirurgia, e resolveu postar também a foto que havia tirado de seu pai.

Em um dias, a post tinha recebido 86 mil reações positivas, e gerou muitas piadas e respostas com imagens editadas no programa Photoshop. A fotografia também iniciou uma conversa sobre como é difícil a recuperação após grandes cirurgias.

Tanto pai como filho ficaram muito surpresos com as reações, e acharam as respostas "incríveis". "Tem sido uma experiência emocionante", diz Edward Jr. "Nós gostamos de ler as histórias das pessoas que se recuperaram, e temos conversado com algumas delas, mas é impossível responder a todos".

Ajuda na recuperação

Mesmo tendo lidado com a situação de Ed com bom humor, a família tem plena consciência da seriedade da cirurgia - e como a aparência pode ter efeitos psicológicos que também afetam a saúde da pessoa.

Encarar a situação como fizeram, avaliam, foi muito importante para a recuperação. Apesar da aparência dos pontos após a cirurgia, Ed, que tem 63 anos, diz que ficou muito grato à dedicação e à habilidade do médico e de sua equipe. "Eu realmente tenho sorte de ter me recuperado tão bem como me recuperei, sem nenhum efeito colateral."

A cicatriz de Ed está menos visível agora, e tanto ele quando o filho acharam muito útil ver o progresso que outras pessoas fizeram após suas cirurgias. "Ser capaz de se identificar com outras pessoas é uma experiência muito poderosa. A gente que a foto ajude a dar esperança para as pessoas, não que deixe as pessoas assustadas", diz Edward Jr.

"A resiliência das pessoas nunca deixa de me surpreender", afirma seu pai.
 

Mais Entretenimento