Topo

Música

A orquestra de voluntários que leva música a pacientes terminais

BBC
A orquestra de voluntários que leva música a pacientes terminais Imagem: BBC

Da BBC

24/05/2018 08h18

A flautista argentina Maria Eugenia Rubio descobriu um câncer de mama em 2008.

Porém, à medida que a doença avançava, ela começou a ter dificuldades para tocar.

Seu namorado, o violoncelista Jorge Bergero, teve, então, uma ideia: levar a música até ela.

Foi assim que nasceu o projeto 'Música para el alma' (Música para a alma, em tradução livre).

Trata-se de uma orquestra que leva a música àqueles, em hospitais e asilos, que não podem ir até os concertos.

"A música para mim é minha forma de ser, de interagir", diz Bergero.

"De certa forma, é meu oxigênio. É o que me faz sentir vivo", completa.

BBC
Orquestra que leva música a pacientes terminais foi criada por violoncelista argentino após sua namorada descobrir câncer de mama; ela morreu três anos depois, mas projeto continuou Imagem: BBC

Segundo Bergero, Eugenia “se destaca na multidão”.

"Ela tinha um sorriso lindo. Ela era uma flautista incrível e também muito bonita", acrescenta.

Ele conta que, quando se apresentou para a namorada pela primeira vez, "as pessoas começaram a cantar em coro e a emoção que sentimos naquele momento foi a conexão e a nova consciência de que a música era muito poderosa".

"E esses concertos trouxeram muita alegria, não só para a plateia, mas para nós também", diz.

Eugenia morreu em dezembro de 2011. Mas os concertos continuaram.

"Música para a Alma" começou com apenas dez músicos. Agora, tem mais de 2,5 mil, que realizam de 70 a 80 concertos por ano.

"A mágica de compartilhar um momento de música com pessoas que estão em uma situação difícil e ver como a música as ilumina, as deixa alegres, é muito poderosa."

"A primeira coisa que todo músico se pergunta depois de fazer seu primeiro concerto é 'quando será o próximo?'", diz.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!