PUBLICIDADE
Topo

Entretenimento

Facebook desafia TikTok com "Reels", nova função do Instagram

05/08/2020 14h25

San Francisco, 5 Ago 2020 (AFP) - A rede do Instagram adicionou um novo recurso para criar e compartilhar vídeos curtos nesta quarta-feira, um desafio direto de seu dono, o Facebook, ao aplicativo chinês TikTok, que está na mira do presidente dos Estados Unidos Donald Trump há dias.

O Instagram Reels permite que os usuários gravem vídeos de até 15 segundos e fornece ferramentas para editar e adicionar áudio e efeitos a eles, explicou o Facebook em um post no blog.

"O Reels convida você a criar vídeos divertidos para compartilhar com seus amigos ou qualquer pessoa no Instagram", informou a plataforma de mídia social, sediada na Califórnia (oeste dos EUA).

Dias atrás, Trump ameaçou banir o bem-sucedido aplicativo chinês TikTok nos Estados Unidos por razões de segurança nacional, e concedeu à rede social até meados de setembro para chegar a um acordo de venda com a gigante local de tecnologia Microsoft ou outra empresa interessada.

Na terça-feira, Trump defendeu sua exigência de que o governo dos Estados Unidos recebesse uma porcentagem do preço de compra do TikTok, depois que isso foi considerado inconstitucional e extorsivo.

O Reels permitirá que o Instagram concorra no universo de vídeos curtos ou engraçados, o formato que transformou o TikTok em um fenômeno da mídia social.

"O Reels é uma parte importante do futuro do entretenimento no Instagram. Nossa comunidade está nos dizendo que deseja criar e assistir vídeos curtos e editados", enfatizou o Facebook.

O novo recurso está disponível em mais de 50 países, incluindo Argentina, Brasil, Espanha, México e Estados Unidos.

A novidade segue a tendência do Facebook de copiar recursos bem-sucedidos em aplicativos rivais.

A forma como essa rede social exerce seu poder no mercado esteve sob escrutínio na semana passada, quando o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, e os diretores das grandes empresas de tecnologia Apple, Google e Amazon foram interrogados por um comitê do Congresso americano.

"Simplificando, eles têm poder demais", disse durante a audiência o democrata David Cicilline, presidente do comitê que investiga as práticas de negócios dessas quatro empresas há um ano.

"Esse poder impede novas formas de competição, criatividade e inovação", acrescentou.

Além disso, qualquer acordo que permita à Microsoft comprar o TikTok pode ser a chave para tornar a gigante da tecnologia americana mais focada no usuário direto.

A compra da rede chinesa pode tornar a Microsoft uma empresa mais moderna, focada na juventude, depois de anos voltados para serviços de negócios e computação em nuvem, estimam analistas.

juj/lth/ll/llu/cc

FACEBOOK

MICROSOFT

Entretenimento