Topo

Filmes e séries


Após acusações de subversão, China celebra Ano do Porco com filme de Peppa Pig

Divulgação
Imagem: Divulgação

Da AFP, em Pequim

30/12/2018 14h00

A China vai comemorar o Ano do Porco, que começa em fevereiro, com um novo filme de Peppa Pig, o famoso desenho britânico, que foi acusado há alguns meses de subversão e que teve centenas de episódios censurados por uma plataforma na internet chinesa.

Uma lista oficial do governo chinês de filmes em preparação tem um projeto intitulado "Peppa Pig comemora o Ano Novo chinês", que deve estrear em fevereiro de 2019, aproveitando as festas de fim de ano no país, informou o jornal oficial "China Daily" neste domingo (30).

Produzido pela Alibaba Pictures e pelo grupo canadense Entertainment One - que detém os direitos dos personagens de Peppa Pig -, o filme mostrará os personagens tradicionais da série de animação, cuja protagonista é uma porca desobediente, além de dois estreantes: "Dumpling" e "Bola de Arroz", dois componentes da culinária chinesa.

"Peppa Pig" chegou à China em meados dos anos 2000 e se tornou extremamente popular com seus episódios dublados em mandarim.

Mas esse fervor aumentou no final de 2017 entre o público adulto, com cada vez mais usuários da internet - alguns deles famosos - exibindo tatuagens de Peppa Pig em selfies, enquanto cresciam as vendas de objetos, canecas, relógios ou roupas com o rosto da personagem.

O "Diário do Povo", porta-voz do Partido Comunista no poder, denunciou em maio os efeitos perversos da "comercialização" motivada por Peppa, através da participação de personalidades na Internet. "Muitos alunos tentam se diferenciar competindo com relógios ou acessórios da Peppa Pig, o que beneficia os fabricantes de falsificações", criticou a publicação oficial.

O "Global Times" denunciou um "vício" por parte das crianças, o que levaria algumas a emitir "grunhidos (de porco) e pular em poças".

A inocente porquinha, segundo o jornal, "tornou-se um ícone para a subcultura de jovens hostis a valores comuns, muitas vezes mal educados e sem trabalho estável". "Ociosos, ao contrário da juventude que o Partido (PC) quer cultivar", acrescenta.

"Peppa Pig assumiu um aspecto subversivo e sua popularidade viral ilustra uma sede por novidades e sátiras que provavelmente prejudicarão a moral da sociedade", enfatizou o "Global Times".

A famosa plataforma de compartilhamento de vídeos Douyin removeu de seu catálogo pelo menos 30 mil episódios dos desenhos animados britânicos. E a hashtag #PeppaPig foi banida da página.