PUBLICIDADE
Topo

Entretenimento

Uma brisa de novidade nas passarelas parisienses

25/09/2018 17h57

Paris, 25 Set 2018 (AFP) - Desde transformar uma colcha em um vestido de noite até queimar a roupa com ácido, os jovens estilistas buscam abrir caminho entre as grandes marcas com que compartilham a passarela em Paris.

No segundo dia da Semana de Moda, realizado nesta terça-feira, houve caras novas, como Ottolinger, Afterhomework e A.W.A.K.E, antes do desfile da Saint Laurent, à noite. A ideia é atrair um público de millenials, heterogêneo, sedento para retransmitir o evento nas redes sociais.

Duas suíças instaladas em Berlim, Christa Bosch e Cosima Gadient, semifinalistas neste ano do famoso prêmio LVMH com sua marca Ottolinger, estrearam em Paris com uma coleção de peças coloridas e intrincadas que se ajustam ao corpo com cordões.

- Manuais para se vestir -"Gostamos de vestir nossas modelos de maneira que o look fique individualizado", disseram as estilistas de 30 anos, após o desfile. Mas como o cliente pode saber como usar essas peças com tantos ajustes? "Talvez devêssemos elaborar manuais para nossa roupa", brincam.

Os jeans rasgados já não surpreendem mais, então as duas estilistas foram além, queimando-os com ácido e criando looks de sobreviventes de um incêndio.

"Sempre apostamos em queimar nossas peças e usar ácido. É muito bonito ver o fogo e as formas resultantes, porque não se pode controlar", disseram aos jornalistas.

- Costura "hardcore" -Com 26 anos, a francesa Marine Serre está atraindo a atenção de um público cada vez mais conscientizado da necessidade de apostar no "upcycling", o aproveitamento das peças de roupa para a confecção de novas peças, e reduzir o impacto ambiental da indústria da moda, a segunda mais poluente depois do petróleo.

Em um bairro do norte de Paris, pouco acostumado ao glamour da moda, a estilista apresentou seu segundo desfile em Paris, batizado de "Hardcore couture". Em busca de um "resultado mais radical" que seu início, Marine reciclou colchas e fez jaquetas, vestidos e saias. Com coletes de vários bolsos, criou um vestido longo.

Quase a metade da coleção apresentada no desfile - que tinha no convite a frase "Fuck Fast Fashion" -, utilizou a técnica de "upcycling".

- Depois dos deveres de casa -Exultante. Assim estava o francês Pierre Kaczmarek, que com apenas 19 anos apresentou sua primeira coleção em Paris, junto com sua sócia Elena Mottola, de 20 anos, com a marca "Afterhomework" (Depois dos Deveres de Casa).

Kaczmarek disse em entrevista à AFP que preparou sua coleção impregnando-se da noite parisiense e de seu cotidiano. Além disso, o Instagram foi uma grande fonte de inspiração para o estilista.

"Tudo o que importa é o momento", disse o estilista após o desfile, marcado por peças desconstruídas, sandálias de saltos, e tiras que, como no desfile da marca Ottolinger, ajustam as peças.

Sobre o nome da marca, Kaczmarek disse que começou a desenhar quando tinha 15 anos, após acabar seus deveres de casa. "Mas até agora, quando trabalho, é como se estivesse na escola, porque aprendo a cada dia".

app-may/mb/cr/db

Entretenimento