Topo

Entretenimento


O último adeus a Aretha Franklin na igreja de seu pai antes de show

30/08/2018 18h21

Detroit, Estados Unidos, 30 Ago 2018 (AFP) - Aretha Franklin voltou nesta quinta-feira (30) à igreja de seu pai pela última vez, deitada resplandecente em um caixão aberto, com um vestido rosa e sapato de salto com lantejoulas, antes de um show em sua homenagem na véspera de seu funeral.

Milhares de fãs se aproximaram nesta quinta da Igreja Batista New Bethel, em Detroit, para se despedir do ícone da música americana e "Rainha do soul".

A cantora de 76 anos, amada por milhares de pessoas ao redor do mundo, morreu de câncer em 16 de agosto, encerrando uma carreira extraordinária de seis décadas que a converteu em uma das artistas mais famosas dos Estados Unidos.

Debra Demmings, de 63 anos, dirigiu a noite inteira de Minnesota para chegar à fila que se estendia fora da igreja às 07h30 locais (08h30 de Brasília), quatro horas antes do início da última oportunidade para o público de dar o último adeus a Franklin.

A fila se estendia por mais de um quilômetro, em um ambiente festivo onde os fãs cantavam e trocavam histórias.

Nesta quinta, às 18h00 locais, haverá um show gratuito em homenagem à vida de Franklin no Chene Park Amphitheatre, um estádio em frente ao rio no centro de Detroit que tem capacidade para 5.000 pessoas e espaço para outras 1.000 no gramado.

Entre os presentes estarão Gladys Knight, The Four Tops, Dee Dee Bridgewater, Angie Stone e a ativista política Angela Davis. Louis Farrakhan, o polêmico líder da Nação do Islã, também está na lista.

Os organizadores pediram que os convidados usem branco para celebrar a vida e o legado de Franklin com os mais de 40 artistas que subirão ao palco no que foi anunciado como uma "Homenagem à rainha das pessoas".

Os ingressos esgotaram em poucos minutos. O repertório incluirá os sucessos como "Freeway of Love", um hino para sua cidade natal, e uma interpretação de "Respect" como encerramento.

Essa canção é um hino feminista e se converteu em um grito de protesto à medida que os afro-americanos se levantaram em todo o país na década de 1960 para lutar pacificamente pela igualdade racial.

O ex-presidente Bill Clinton e Smokey Robinson também estão entre os que irão ao funeral que durará seis horas na sexta-feira, onde só se poderá entrar com convite, e haverá tributos musicais de Stevie Wonder e Ariana Grande.

Franklin cantou no funeral de Martin Luther King Jr. e nas cerimônias de posse dos presidentes Clinton e Obama.

Mais Entretenimento