Topo

Entretenimento

Trump eleva tom contra Google, Twitter e Facebook e denuncia manipulação

28/08/2018 18h45

Washington, 28 Ago 2018 (AFP) - Donald Trump elevou nesta terça-feira (28) seus ataques contra os gigantes da Internet ao acusar Google, Twitter e Facebook de não serem politicamente imparciais em seus conteúdos e os aconselhou a "ter cuidado", horas depois de assegurar que os resultados de busca na web estão "manipulados".

"Google, Twitter e Facebook estão realmente navegando em águas turbulentas e devem ter cuidado", declarou Trump no Salão Oval da Casa Branca.

Na semana passada, Trump já havia criticado as redes sociais por considerar que estão eliminando opiniões conservadoras.

Nesta terça-feira, o presidente assegurou que o Google favorece os meios de comunicação de esquerda nos resultados de seu motor de busca.

"É injusto para uma parte da população", acrescentou. "Não podem fazer isso com as pessoas, não podem!", "Recebemos milhares de queixas" - disse Trump depois de se reunir com o presidente da Fifa, Gianni Infantino.

Horas antes, Trump havia tuitado que "os resultados de pesquisa no Google para 'Trump Notícias' mostram apenas a exibição/divulgação de uma Mídia de Fake News".

"Em outras palavras, eles têm MANIPULADO, sobre mim e sobre outros, de modo que quase todas as histórias e notícias são RUINS. A fake CNN é proeminente nisso. A Mídia Justa republicana/conservadora está excluída. Ilegal?".

- Google nega ter agenda -De acordo com Trump, "96% dos resultados da 'Trump Notícias' são da Mída Nacional de Esquerda", que ele descreve como algo "muito perigoso".

"O Google e outros estão suprimindo as vozes de conservadoras e escondendo informações e notícias que são boas. Eles estão controlando o que podemos e não podemos ver. Essa é uma situação muito séria - será abordada!".

"Estamos nos ocupando com essa questão", confirmou Larry Kudlow, conselheiro econômico do presidente.

O Google negou enfaticamente as acusações de Trump. "A busca não é utilizada para estabelecer uma agenda política e não manipulamos nossos resultados em relação a nenhuma ideologia política", afirmou um porta-voz da empresa.

"O nosso objetivo é assegurar que os usuários façam buscas no motor do Google e recebam o resultado mais pertinente em alguns segundos", insistiu a empresa, com sede na Califórnia.

Uma pesquisa do Pew Research Center divulgada em junho mostrou que 43% dos americanos acreditam que as principais empresas de tecnologia apoiam mais as opiniões dos liberais do que a dos conservadores, e 72% aceitam a ideia de que as plataformas de mídia social censuram ativamente visões políticas opostas.

- Temor de censura do governo -Embora considerem que o tema da "parcialidade dos algoritmos" possa ser objeto de debate, especialistas do Centro de Democracia e Tecnologia dos Estados Unidos estão preocupados com possíveis regulamentações governamentais.

"É muito preocupante que qualquer representante do governo tente publicamente pressionar uma plataforma em relação a informações importantes para a nossa democracia", confessou à AFP sua presidente, Nuala O'Connor.

Eric Goldman, responsável do Instituto de Direito de Altas Tecnologias da Universidade de Santa Clara, avaliou que "qualquer tentativa de Trump de 'corrigir' os resultados dos motores de busca violaria a Primeira Emenda" à Constituição americana, que garante a liberdade de imprensa.

Este ataque contra um dos motores de busca mais populares do mundo acontece em meio a uma ofensiva mais geral lançada meses atrás por Trump contra as redes sociais, as acusa de censurar vozes conservadoras.

Facebook

GOOGLE

Twitter

Mais Entretenimento