PUBLICIDADE
Topo

Entretenimento

ONGs pedem para Google não ceder diante da China

28/08/2018 19h57

San Francisco, 28 Ago 2018 (AFP) - Várias ONGs e organizações de defesa de direitos humanos pediram nesta terça-feira (28) à Google que abandone seu projeto de desenvolver uma versão de sua ferramenta de busca adaptado às exigências de censura na China, o que permitiria ao grupo reinstalar-se no país.

O projeto de Google, batizado "Dragonfly", "representaria uma capitulação alarmante da Google em relação aos direitos humanos", escreveram 14 associações, entre elas Anistia Internacional, Human Rights Watch e Repórteres Sem Fronteiras, em uma carta aberta.

Diante da censura e dos ciberataques, a empresa californiana havia retirado seu motor de busca na China em 2010, mas não abandonou completamente este mercado.

A Google, filial da Alphabet, conta com três oficinas e 700 funcionários na China, onde registras lucros significativos em matéria de publicidade.

Agora está testando um motor de busca conforme as exigências das autoridades chinesas, o que suscitou críticas de militantes de direitos humanos e dos próprios funcionários.

"A Google corre o risco de se tornar cúmplice do governo chinês na repressão da liberdade de expressão", denunciam as associações na carta.

GOOGLE

Weibo

Facebook

Twitter

Entretenimento