Topo

Filmes e séries

Justiça condena mais um protagonista de "Making a Murderer" à prisão perpétua

AP Photo/Morry Gash
Brenday Dassey em foto de março de 2006 Imagem: AP Photo/Morry Gash

De Washington

25/06/2018 19h29

A Suprema Corte dos Estados Unidos rejeitou nesta segunda-feira (25) a apelação de um dos protagonistas de "Making a Murderer", uma série documental de sucesso que ilustra as falhas do sistema penal do país.

O alto tribunal se recusou a examinar o caso sem informar os motivos de sua decisão, confirmando a condenação à prisão perpétua por assassinato de Brendan  Dassey, que milhões de americanos acreditam ser inocente.

A Suprema Corte "perdeu a imensa oportunidade de melhorar a justiça, principalmente para os menores", disse Jerome  Buting, um advogado envolvido no caso. Dassey tinha 16 anos na época do crime.

Desde 2015, milhões de pessoas no mundo se apaixonaram por esta saga judicial transmitida pela Netflix sobre as humilhações sofridas por uma família de um meio social desfavorecido do estado de Wisconsin.

As opiniões são divididas sobre a culpa do personagem principal da história, Steven Avery, condenado em 2007 à prisão perpétua pelo assassinato de uma fotógrafa de 25 anos, Teresa Halbach.

Mas o que mais estremeceu os espectadores foi o destino do sobrinho de Avery, Brendan  Dassey, condenado à mesma pena por este assassinato que ocorreu quando ele tinha 16 anos.

A acusação se baseia em um interrogatório policial extremamente controverso feito com o adolescente, que tem um nível intelectual limitado.

Ao longo desse interrogatório, filmado durante horas e sem a presença de um advogado, os investigadores usaram meios questionáveis para pressionar Brendan a fornecer elementos que incriminassem tanto ele como seu tio.

Segundo os defensores, o adolescente foi influenciado pelo poder de sugestão dos policiais e pressionado a fazer uma confissão baseada em fatos imaginários.

"Os interrogadores se aproveitaram da juventude e deficiência mental de Dassey para convencê-lo de que estavam do lado dele. Não tiveram em conta sua incapacidade clara de responder corretamente às muitas perguntas sobre o crime, puseram palavras em sua boca, as palavras que queriam ouvir, e lhe prometeram que se dissesse isso seria libertado", denunciou Seth  Waxman, advogado do detido.

É raro que a Suprema Corte americana aceite um pedido de retificação isolado de um suposto erro judicial.

Mas, segundo argumentou um grupo de procuradores da Corte, "milhões de americanos assistiram ao vídeo do interrogatório de Dassey no documentário 'Making a Murderer', o que gerou indignação pela visível falha do sistema".

Dassey tem atualmente 28 anos. Teve um julgamento em primeira instância e depois uma apelação que concluiu que suas declarações foram forçadas pela polícia.

Mas o Tribunal de Apelações de Chicago havia dado razão ao estado de Wisconsin, que luta contra a libertação do prisioneiro.