Topo

Filmes e séries

"Vingança": Um filme de terror feminista para a era pós-Weinstein

Reprodução
Cena do filme "Revenge" Imagem: Reprodução

Los Angeles (EUA)

10/05/2018 15h57

Os thrillers de mulheres estupradas que buscam vingança ocuparam um lugar esquálido, com frequência controverso, do cinema de terror desde a década de 1970.

E em meio ao surgimento de movimentos como MeToo e Time's Up contra a cultura sexual e a iniquidade de gênero em Hollywood, a cineasta francesa Coralie  Fargeat lançou um estremecedor filme de vingança na era pós-Harvey Weinstein.

Protagonizado pela atriz e modelo italiana Matilda  Lutz, "Revenge" ("Vingança") faz uma forte crítica aos privilégios dos homens e a culpabilização das vítimas.

O filme estreou no Festival de Cinema de Toronto em setembro de 2017, um mês antes de explodirem as denúncias contra o outrora poderoso magnata de Hollywood, e que acabaram atingindo outros pesos-pesados da indústria.

Mas Fargeat, que estreia como diretora com seu próprio roteiro, sustentou que isso é apenas "a ponta do iceberg".

"É necessário (haver) uma grande mudança na nossa sociedade e isso não vai acontecer em três, quatro, ou cinco meses, porque é a raiz da sociedade que tem que mudar", afirmou ao jornal Los Angeles Times.

Na sexta-feira, o filme estreará nos Estados Unidos e nos serviços de streaming. Já está disponível em algumas salas do mercado latino-americano como Colômbia e México, segundo o site  IMDB.



Não mais

Lutz ("O Chamado 3") interpreta Jen, uma jovem que sai de férias para uma casa remota com seu namorado Richard, que é casado, vivido pelo ator belga Kevin Janssens.

O fim de semana romântico acaba quando os amigos de caça de Richard, Stan (Vincent Colombe) e Dimitri (Guillaume Bouchede), aparecem sem ser convidados.

Jen rapidamente desperta seus instintos predatórios. E seu estupro, muito impactante apesar de não ser evidenciado na tela, desencadeia uma onda de violência doentia.

Lutz, que se inspirou em Marilyn  Monroe, mostra como uma jovem que só queria se divertir se transforma em uma assassina a sangue frio.

Esse tipo de filme de vingança costuma ser feito principalmente por homens: "A Última Casa à Esquerda" de Wes Craven, "Doce Vingança" de Meir  Zarchi, "Sob o Domínio do Medo" de Sam  Peckinpah, e "Millennium: Os Homens que não Amavam as Mulheres" de Niels  Arden  Oplev, são exemplos.

Fargeat disse que não se propôs apenas a causar barulho, ou falar de política de gênero, mas assegurou que este gênero é o seu "tipo de filme".

O nível de violência revira o estômago e às vezes parece ser um pouco gratuito. Cada golpe, disparo e apunhalada tem um custo, e leva muito do que parece ser sangue de verdade, e não xarope de milho vermelho.

Reprodução
Pôster do filme "Revenge" Imagem: Reprodução

Em Toronto, os paramédicos tiveram que atender um espectador que sofreu um ataque epiléptico durante uma cena em que a personagem tira um caco de vidro do pé, informou a imprensa local.

Lutz, de 26 anos e que mora na Califórnia, disse ao Times que o filme mudou a sua visão e lhe deu confiança.

"Sempre fui forte, mas sempre me preocupei com o que as outras pessoas achavam de mim, do meu corpo (...) Na praia, na rua, se um homem me via e inclinava a cabeça, caminhava para o outro lado porque tinha medo do que podia acontecer... Mas não mais".

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!