Topo

Festival de Cannes

Festival de Cannes começa com Penélope Cruz em destaque e lembrança de "Volver"

Vittorio Zunino Celotto/Getty Images for Kering
Estrelas de "Todos lo Saben", filme que abre a 71ª edição do Festival de Cannes, Javier Bardem e Penélope Cruz cruzam o tapete vermelho do tradicional festival de cinema Imagem: Vittorio Zunino Celotto/Getty Images for Kering

De Cannes (França)

08/05/2018 18h17

O filme em espanhol "Todos lo saben", do iraniano Asghar  Farhadi, protagonizado por Javier Bardem, Penélope Cruz e Ricardo Darín, inaugurou nesta terça-feira (8) o Festival de Cannes, o primeiro pós-Weinstein, com um júri comprometido com a luta feminista e presidido por Cate Blanchett.

Na cerimônia de inauguração, o veterano cineasta americano Martin Scorsese e a atriz australiana Cate Blanchett declararam aberta a 71ª edição do festival de cinema mais importante do mundo.

Pouco antes, o casal mais explosivo do cinema espanhol, Javier Bardem e Penélope Cruz, ao lado do argentino Ricardo Darín, desfilaram no tapete vermelho, junto com Farhadi.

Na competição pela Palma de Ouro, o filme conta o regresso de Laura (Cruz), estabelecida em Buenos Aires com seu marido (Darín) e seus filhos, ao seu povoado natal da Espanha para uma festa de família. Lá encontrará seu ex-namorado Paco (Bardem). Um acontecimento imprevisto sacudirá sua vida: o desaparecimento de sua filha.

Na escada, a atriz, com um elegante vestido preto com detalhes em tule, disse que Cannes a faz "pensar sempre em Almodóvar", com cujo filme "Volver" ganhou o prêmio de melhor interpretação em 2006 junto às outras atrizes.

Sobre seu papel dramático em "Todos lo  Saben", Cruz disse recentemente que "foi o papel mais difícil" que fez "até agora".

O filme, o primeiro não falado em inglês nem francês que abre o Festival desde 2004, compete com outros 20 filmes na seleção oficial, até 19 de maio. Entre eles estão "BlacKKKlansman", o último de Spike Lee e "Le livre d'image", da lenda do cinema francês Jean-Luc Godard.

Só três mulheres estão na competição: a francesa Eva Husson, a libanesa Nadine Labaki e a italiana Alice Rohrwacher.

"Mais mulheres cineastas competindo"

No primeiro festival após o caso Weinstein, que sacudiu o mundo do cinema nos últimos meses, o júri será majoritariamente feminino e sua presidente, Cate Blanchett, é uma feminista de destaque.

"A mudança não vai acontecer da noite para o dia (...) Claro que eu gostaria de ver mais mulheres cineastas competindo", disse nesta terça-feira à imprensa Blanchett, em referência à batalha feminina para ganhar mais peso na indústria do cinema, paralela à luta contra o assédio sexual.

A atriz australiana defendeu, entretanto, que o júri avalia os filmes de acordo com sua qualidade e que não se trata de "um iraniano, uma mulher ou um transgênero".

Na esteira do movimento #MeToo, o festival se comprometeu a lutar contra o assédio sexual. Todos os participantes receberão um panfleto lembrando que em Cannes será "exigido um comportamento correto", com menção de um número de telefone para qualquer vítima ou testemunha de assédio sexual.

Além disso, no sábado a tradicional subida da escadaria será 100% feminina, com uma centena de mulheres do cinema, anunciou o delegado-geral do festival, Thierry Frémaux.

Na direção oposta desta tendência, o cineasta franco-polonês Roman Polanski qualificou o #MeToo de "histeria coletiva" e de "hipocrisia", em uma entrevista na edição polonesa da Newsweek desta semana.

As afirmações foram feitas antes da Academia americana que entrega o Oscar expulsá-lo, em 3 de maio, por uma relação sexual ilegal com uma menor de 13 anos em 1977.

Na Croisette, desde as primeiras horas do dia, em frente ao Palácio dos Festivais, foram se reunindo fãs que esperavam ver seus atores favoritos. Embora o festival tenha proibido as selfies com as estrelas no tapete vermelho, muitos desafiaram esta medida e tiraram fotos com seus celulares.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!