Topo

Filmes e séries

Projeto de 18 anos, "Dom Quixote" está nas mãos da Justiça francesa

AFP/STEPHANE DE SAKUTIN
O ator e diretor Terry Gilliam Imagem: AFP/STEPHANE DE SAKUTIN

Paris (França)

04/04/2018 19h15

A Justiça francesa decidirá em 15 de junho o destino do filme "O homem que matou Dom Quixote", que por enquanto não pode estrear devido a um desacordo entre o diretor britânico Terry Gilliam e um produtor.

O Tribunal de Apelação de Paris realizou nesta quarta-feira (04) uma audiência sobre este filme, um projeto que foi enterrado e ressuscitado em várias ocasiões ao longo de 18 anos. O conflito judicial envolve Gilliam, de 77 anos, e o produtor português Paulo Branco, que comprou seus direitos de autor-diretor, através de sua empresa Alfama Films, baseada na França.

Em troca, Branco tinha se comprometido, entre outras coisas, a manter a data da filmagem em outubro de 2016 e a respeitar as decisões artísticas de Gilliam. Mas, durante a pré-produção, os muitos desacordos entre ambos levaram o produtor a suspender o início das filmagens.

Gilliam então procurou a produtora espanhola Tornasol, e com ela filmou o longa-metragem entre março e junho de 2017, na Espanha e Portugal. Entretanto, o diretor lançou um procedimento ante a Justiça francesa para anular o contrato de cessão de seus direitos em favor de Branco.

Mas em 19 de maio de 2017, um tribunal de Paris se pronunciou em primeira instância em favor do produtor, embora tenha rejeitado seu pedido de parar as filmagens.

"Branco emprega toda a sua energia e seu tempo em impedir que este filme seja visto", lamentou nesta quarta-feira o cineasta ante a imprensa.

"Suas petições são ridículas (...) Tenta arrecadar o máximo com um filme que não produziu", acrescentou Gilliam, afirmando que Branco lhe pede uma compensação de 3,5 milhões de euros.

"É absolutamente falso, as decisões que devem ser tomadas sobre as quantias serão definidas evidentemente em uma mesa de negociação", replicou Branco, que afirma que este filme com custo de "17 milhões de euros foi filmado de forma ilegal".

Este episódio judicial prolonga um pouco mais a "maldição" que atinge há quase duas décadas "O homem que matou Dom Quixote".

Em 2000, Gilliam teve que interromper a filmagem de sua adaptação livre da célebre obra de Miguel de Cervantes, com Jean Rochefort, Johnny Depp e Vanessa Paradis, devido a uma série de infortúnios, como inundações no set de gravação e uma hérnia de disco sofrida pelo já falecido ator francês.

Ele tentou ressuscitar o projeto em várias ocasiões, deparando-se com a falta de financiamento, até conseguir filmar o longa no ano passado.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!