PUBLICIDADE
Topo

Escândalos, críticas e estado de alerta: a vez do Oscar em tempos de #MeToo

Cena do filme "Corra!", dirigido por Jordan Peele - Reprodução
Cena do filme "Corra!", dirigido por Jordan Peele Imagem: Reprodução

Los Angeles (EUA)

02/03/2018 15h32

O Oscar encerra no domingo (4) uma temporada de prêmios marcada pela guerra contra os abusos sexuais e a desigualdade de gênero em Hollywood.

Os escândalos, que começaram com as revelações perturbadoras contra o produtor Harvey Weinstein, deram vida a movimentos como o #MeToo e o Time's Up contra estes abusos e a favor de mais equidade.

O Oscar já encarou, no passado, fortes críticas por falta de diversidade racial e de gênero, e este ano sem dúvida "esses temas estarão presentes", disse à agência France Press Tim Gray, vice-presidente da Variety e editor de prêmios.

"As pessoas em Hollywood estão falando de diversidade, dos movimentos #TimesUp e #NeverAgain, embora seja difícil dizer algo significativo em 45 segundos".

Os 8.500 membros da Academia do cinema dos Estados Unidos da que Weinstein foi expulso votaram até terça-feira, e as previsões colocam "A forma da água", do mexicano Guillermo del Toro, entre as favoritas, junto com "Três anúncios para um crime".

Também "Viva - A vida é uma festa", o filme de animação da Pixar e Disney inspirado no Dia dos Mortos no México, e "Uma mulher fantástica", do chileno Sebastián  Lelio, protagonizado pela atriz trans Daniela Vega.

O comediante Jimmy Kimmel será novamente o apresentador do Oscar, que este ano é organizado com muito cuidado para não repetir o fiasco do ano passado, quando Warren Beatty e Faye  Dunaway receberam o envelope errado e entregaram o prêmio de melhor filme para "La La Land: Cantando Estações", quando na verdade era "Moonlight: Sob a luz do luar".

"A Academia estará alerta", estimou o crítico de cinema Peter Debruge. "Mas de vez em quando um erro humano dá emoção ao show".

Bálsamo para a alma

"A forma da água" conta a história de amor entre uma faxineira muda e um humanoide anfíbio preso em uma base ultrassecreta nos Estados Unidos da Guerra Fria.

"O mais bonito que ouvi é que o filme curou emocionalmente alguém ou que foi uma espécie de bálsamo para a alma", disse à AFP Del Toro, indicado em 2007 por "O labirinto do fauno", que ganhou três estatuetas, embora não a de melhor diretor.

"A forma da água" recebeu no total 13 indicações ao Oscar, mais do que qualquer outro filme, incluindo a de melhor direção, na qual o mexicano é o favorito, após ter ganhado o Globo de Ouro, o Bafta e o prêmio do sindicato de atores.

Nessa categoria concorre também Greta Gerwig por "Lady Bird", a única diretora indicada este ano e apenas a quinta nas 90 edições deste prestigioso prêmio.

Na categoria de melhor fotografia, foi indicada a primeira mulher na história do Oscar: Rachel Morrison, por "Mudbound - Lágrimas sobre o Mississipi".

Segundo o site de previsões Gold Derby, o Oscar de melhor filme irá para "Três anúncios para um crime", o drama dirigido por Martin McDonagh - não indicado - sobre uma mulher que aluga três outdoors para protestar contra a lentidão da investigação policial sobre a morte de sua filha.

O longa que tem sete indicações, uma a menos que o filme bélico "Dunkirk"— deve levar também os prêmios pelas atuações de Frances McDormand e Sam Rockwell.

Gary Oldman provavelmente voltará para a casa com o Oscar por sua aclamada interpretação como o primeiro-ministro britânico Winston Churchill em "O destino de uma nação", indicado em um total de seis categorias, assim como "Trama fantasma".

Segundo a imprensa especializada, nenhum filme dominará os prêmios.

"Não me lembro de um ano com tanta incerteza, há ao menos quatro candidatos fortes" ao Oscar de melhor filme, disse Gray.