Entretenimento

'Paradise Papers' revelam clientes dos paraísos fiscais

06/11/2017 11h58

Washington, 6 Nov 2017 (AFP) - Um secretário americano que mantém relações de negócios com o presidente russo, investimentos da rainha da Inglaterra nas Bermudas: uma investigação jornalística baseada no vazamento de milhares de documentos revelou as redes mundiais para obter benefícios fiscais, ou para sonegar impostos.

Dezoito meses depois dos "Panama Papers", relacionados com fraudes fiscais, o Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ, na sigla em inglês), que reúne 96 veículos de comunicação de 67 países, começou a revelar os "Paradise Papers".

A entidade usou como base o vazamento de 13,5 milhões de documentos financeiros, procedentes fundamentalmente do Appleby, um escritório internacional de advocacia com sede nas ilhas Bermudas. O material foi obtido pelo jornal alemão Süddeutsche Zeitung.

Documentos procedentes do Appleby revelaram que o secretário do Comércio dos Estados Unidos, Wilbur Ross, manteve participações no capital de uma empresa de transporte marítimo. Essa companhia tem vínculos estreitos com um oligarca russo que entrou em uma lista de sanções dos Estados Unidos, assim como com um genro do presidente Vladimir Putin, segundo o jornal The New York Times.

- Problemas éticos -No Reino Unido, quase 10 milhões de libras esterlinas da rainha Elizabeth II foram colocados em fundos nas ilhas Cayman e Bermudas, segundo a BBC e o jornal The Guardian.

O magnata canadense Stephen Bronfman depositou, ao lado de seu mentor Leo Kolber, quase 60 milhões de dólares em uma empresa offshore em Cayman, segundo o Toronto Star.

Este amigo do primeiro-ministro Justin Trudeau e diretor financeiro da campanha do governante Partido Liberal do Canadá nas eleições de 2015 pode virar um peso para o chefe de Governo, eleito com promessas de redução das desigualdades e de justiça fiscal.

Os circuitos usados pelos mais ricos e pelas empresas multinacionais para colocar seus recursos em paraísos fiscais não são ilegais. Graças a brechas na regulamentação, permitem a seus beneficiários pagar muito menos impostos.

- Genro de Putin - O caso do secretário de Comércio americano pode apresentar problemas éticos, afirmou Richard W. Painter, que foi diretor da comissão de ética durante a presidência do republicano George W. Bush.

Ao assumir o cargo em janeiro, esse respeitado homem do setor financeiro reduziu sua participação na Navigator Holdings - a empresa incriminada -, mas ainda controla 31% de seu capital por meio de companhias offshore.

Um dos principais clientes da Navigator Holdings é a empresa russa de gás e produtos petroquímicos Sibur, que aportou 26 milhões de dólares a seu volume de negócios em 2016, informa o jornal francês Le Monde.

Entre os proprietários da Sibur estão Guennadi Timtchenko, um oligarca próximo ao presidente russo, Vladimir Putin, punido pelo Tesouro americano após a invasão da Crimeia por parte de Moscou, e Kiril Chamalov, casado com a filha mais nova de Putin.

"O secretário Ross não participou da decisão da Navigator de fazer negócios com a Sibur, que na época não estava na lista de sanções, como tampouco está agora", reagiu o Departamento do Comércio em um comunicado.

O próprio Ross negou qualquer vínculo "repreensível", afirmando à BBC que os meios de comunicação "exageram neste caso".

Ele explicou que a "Navigator se limita a fretar barcos" para Sibur, ressaltando que "não há vínculos no nível administrativo ou dos acionistas".

"Não há irregularidades, e se alguém tira outra conclusão é porque os veículos estão deformando a história", garantiu.

Políticos russos minimizaram, por sua vez, os vazamentos ligados a personalidades e companhias de seu país, assegurando que tudo era legal.

"Esses vazamentos buscam entorpecer as emoções com formulações confusas", declarou o chefe da comissão de Assuntos Externos do Senado, Constantin Kosachev, citado pela agência oficial de notícias RIA Novosti.

Essas revelações constituem "um texto de pura fantasia. O que se descreve é atividade comercial comum e habitual", assegurou Kosachev.

Essas operações "são apresentadas como uma trama contra os fundamentos da democracia ocidental", ironizou.

"Trata-se de negócios, de comércio, não tem nada a ver com política", afirmou o vice-presidente do Comitê de Relações Exteriores da Duma, Alexei Chepa, mencionado pela RIA Novosti, ao ser questionado sobre esses dois casos.

Desde o início, a administração do presidente Donald Trump é afetada pelo "caso russo", referente às suspeitas de conluio de sua equipe de campanha com Moscou.

Entre os outros clientes da Navigator Holding, figura a petroleira estatal venezuelana PDVSA, afetada por sanções de Washington.

Os fundos da rainha Elizabeth II colocados nas ilhas Cayman e nas Bermudas foram gerados pelo ducado de Lancaster, domínio privado da soberana e fonte de sua renda.

"Todos os nossos investimentos passam por auditorias e são legítimos", disse à AFP a porta-voz do ducado de Lancaster.

Ela disse que os investimentos em fundos no exterior representam apenas 0,3% do valor total do ducado.

O líder da oposição trabalhista britânica, Jeremy Corbyn, denunciou no Twitter que existe "uma regra para os super-ricos e outra para os demais quando se trata de pagar impostos".

burs-mra/fjb/dg/cd/fp/mr/tt
 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo