Entretenimento

Marcel Proust promove a si mesmo em cartas leiloadas

28/10/2017 13h49

Paris, 28 Out 2017 (AFP) - A Sotheby's vai leiloar, nesta segunda-feira (30), em Paris, uma rara edição de "Em busca do tempo perdido", acompanhada de um tesouro para os bibliófilos: cartas nas quais Marcel Proust revela ser seu melhor assessor de imprensa.

O livro, avaliado entre 400 mil e 600 mil euros, é um dos cinco exemplares numerados de "Em busca do tempo perdido" e está impresso no papel que alguns consideram mais belo do mundo, o "washi" japonês.

Três desses raros e valorizados livros estão guardados com seu proprietário, enquanto um quarto desapareceu durante a Segunda Guerra Mundial e nunca mais foi encontrado.

O livro que a Sotheby's vai vender na segunda-feira não era visto em público desde 1942, durante um leilão em Druot. Originalmente, Proust lhe deu de presente a Louis Brun, um dos diretores da casa Grasset, em agradecimento por seu apoio, como lembra o escritor em sua dedicatória.

Louis Brun, um grande bibliófilo, encadernou uma série de documentos manuscritos por Marcel Proust no fim do volume.

- Qualquer veículo serve -Os oito documentos, ao todo, mostram um Marcel Proust até então desconhecido. Para promover seu livro, o escritor propõe a seus amigos da imprensa parisiense que publiquem em seus respectivos periódicos críticas elogiosas do romance.

Para o escritor, qualquer veículo serve. Assim, oferece dinheiro aos jornais e chega a escrever, ele mesmo, os artigos que espera que sejam publicados.

Ao mesmo tempo, Proust toma cuidado para não ser descoberto e insiste que os artigos que escreve sejam anônimos.

Em uma carta, explica a Louis Brun que tem que dizer: "é o editor que redigiu isto e, se no jornal consultarem o manuscrito, é melhor que não seja a minha letra".

Assim, pede para enviar aos diários uma versão datilografada de seus escritos, para que ninguém possa reconhecer a caligrafia. Ele também sugere que as faturas sejam enviadas a Grasset, garantindo que, no final, pagará "integralmente".

Sobre seu livro, Proust escreve que "Em busca do tempo perdido" é "uma pequena obra de arte". Ele se refere a si mesmo em terceira pessoa: "O que Proust vê, sente, é de uma originalidade total".

A crítica aduladora, não assinada, foi publicada na primeira página do Journal del Debats em abril de 1914. Ela custou ao escritor 660 francos - o equivalente a 2 mil euros atuais.

Uma nota curta publicada na capa do jornal francês Le Figaro em 18 de abril daquele ano custou a ele 300 francos (mil euros). Em uma carta a Brun, Proust se queixa com amargura que o veículo apagou o adjetivo "distinto", que atribuíra a si mesmo.

Jean-Yves Tadié, grande especialista em Proust, explica que o escritor "entendeu, antes de todos, a importância da comunicação, da publicidade e das relações com a imprensa".

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo