Filmes e séries

Hollywood: moda e finanças são afetadas pelo escândalo Weinstein

Reprodução/Instagram
Terry Richardson, responsável pelo clipe "Wrecking Ball", de Miley Cyrus, e diretor de um clipe ainda inédito de Anitta foi afetado Imagem: Reprodução/Instagram

De Nova York

25/10/2017 16h00

As repercussões da queda de Harvey Weinstein superaram os limites de Hollywood e atingiram a indústria da moda e o mundo das finanças: as empresas começaram a demitir poderosos executivos acusados de assédio sexual para legitimar sua política de tolerância zero.

As revelações sobre atos de assédio e abuso sexual que o magnata praticou durante anos destruíram sua carreira e seu casamento, e mostraram um problema endêmico na meca do cinema.

Mas quase três semanas depois das primeiras acusações virem à tona, a história se repete em outros setores.

O grupo editorial Condé Nast confirmou na terça-feira (24) a demissão de Terry Richardson, fotógrafo de Nova York de 65 anos conhecido por suas imagens de conteúdo explícito e há anos acusado por modelos de assédio.

No mundo masculino das finanças americanas, uma fonte anunciou que o fundo de investimentos Fidelity Investments demitiu Robert Chow, de 56 anos, que trabalhava na empresa há 30 anos, e Gavin Baker, de 41, que administrava um fundo de tecnologia de 16 bilhões de dólares.

Sua presidente executiva, Abigail Johnson, considerada a mulher mais poderosa das finanças nos Estados Unidos, estava há semanas exigindo as demissões dos dois funcionários da empresa.

"Simplesmente não toleraremos esse tipo de comportamento", disse em entrevista por e-mail à AFP o porta-voz do Fidelity, Vincent Loporchio.

Johnson, com um patrimônio de US$ 17,5 bilhões segundo a revista Forbes, lidera um fundo que administra US$ 6,4 bilhões em ativos e faz parte dos 2% de mulheres que ocupam o cargo de presidente executiva, segundo a organización Catalyst.

"Inaceitável"

A decisão da Condé Nast de não publicar o trabalho de Richardson é um grande sinal de que a tolerância com os homens poderosos acusados de condutas sexuais inapropriadas é cada vez menor.

Os funcionários da Condé Nast International --editora de revistas como Vogue, Vanity Fair e Glamour-- foram informados por e-mail de que o trabalho de Terry Richardson nos arquivos da empresa deveria ser "eliminado ou substituído".

"O assédio sexual de qualquer tipo é inaceitável e não deve ser tolerado", diz a empresa.

Assim como Weinstein, Richardson insiste que todas as suas relações foram consentidas. Na terça-feira, um representante disse que o fotógrafo estava "decepcionado".

Marido e pai de dois filhos, Richardson fotografou campanhas de moda, retratou Barack Obama antes de sua eleição à Casa Branca e dirigiu o videoclipe de Miley Cyrus de 2013, "Wrecking Ball", em que aparece nua.

O jornal britânico Sunday Times se pergunta por que Richardson era "ainda celebrado", apesar de ter "uma reputação como um Harvey Weinstein da moda".

Assédios sexuais

Enquanto isso, o escândalo Weinstein cresce. Uma ex-assistente de produção afirmou na terça-feira ter sido agredida pelo magnata cinematográfico em Nova York em 2006, quando foi vítima de assédio não denunciado à polícia.

Mimi Haleyi relatou que o produtor a bombardeou com ligações e mensagens, e foi até seu apartamento insistindo para que ela voltasse com ele em um avião particular para Paris para ver os desfiles de moda. Ela se negou todo o tempo.

Ao voltar, continuou a assediá-la, obrigando Mimi a fazer sexo oral nele.

"Nunca quis que alguém fizesse isso comigo, nem mesmo se fosse meu namorado. Lembro que Harvey disse: "Não acha que agora estamos muito mais próximos um do outro?", e respondi: "Não", contou Haleyi.

O caso não foi denunciado à Polícia. Sua advogada, Gloria Allred, que representa outras supostas vítimas, disse que pode ser difícil seguir com um processo porque os supostos crimes já prescreveram.

Paralelamente, a atriz Dominique Huett denunciou, também na terça-feira, a The Weinstein Company, alegando que sofreu agressões sexuais e que a produtora permitiu que isso acontecesse porque há anos tinha conhecimento da conduta de seu co-fundador.

O famoso chef americano John Besh, garoto-propaganda de culinária de Nova Orleans que já cozinhou para líderes mundiais e apareceu em programas de televisão, também renunciou nessa segunda-feira ao cargo em sua empresa após várias mulheres alegarem que o assédio sexual é comum em seus restaurantes.

Besh reconheceu uma "aventura amorosa", mas negou uma cultura abusiva em sua companhia, onde mulheres asseguraram que seus companheiros de trabalho e supervisores as tocavam e faziam comentários de forma inapropriada, e por vezes tentavam coagi-las a ter relações sexuais.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
Reuters
Roberto Sadovski
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo