Topo

Entretenimento

TPI considera que jihadista provocou danos de EUR 2,7 milhões a mausoléus de Timbuktu

17/08/2017 07h39

Haia, 17 Ago 2017 (AFP) - O Tribunal Penal Internacional (TPI) considerou nesta quinta-feira que um jihadista malinês provocou danos avaliados em 2,7 milhões de euros nos ataques aos mausoléus de Timbuktu em 2012 e ordenou uma indenização às vítimas.

"A câmara ordena indenizações individuais, coletivas e simbólicas para a comunidade de Timbuktu, reconhece que a destruição dos edifícios protegidos causou o sofrimento a pessoas em todo Mali e na comunidade internacional e considera (Ahmad al-Faqi al) Mahdi responsável pela indenização no valor de 2,7 milhões de euros", declarou o juiz Raul Cano Pangalangan ao ler sua decisão.

O tuaregue Mahdi foi condenado em setembro de 2016 a nove anos de prisão por "dirigir de forma intencional ataques" contra a porta da mesquita Sidi Yahia e contra nove dos mausoléus de Timbuktu, inscritos na lista de patrimônio mundial da Unesco.

Embora o jihadista não possa pagar a quantia reclamada, a corte "não está de acordo com que (sua) indigência (...) tenha um impacto na ordem de indenização" e estimula o fundo para as vítimas, um órgão independente financiado por contribuições públicas e privadas, a "completar qualquer indenização individual ou coletiva" e a arrecadar dinheiro para este objetivo.

Mahdi, nascido em 1975, era membro do Ansar Dine, um dos grupos jihadistas vinculados à Al-Qaeda que controlaram o norte do Mali durante quase 10 meses em 2012, antes da expulsão da maioria dos extremistas por uma intervenção internacional iniciada em janeiro de 2013 pela França.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento