Entretenimento

Japão proíbe visitas à ilha de Okinoshima, patrimônio mundial da Unesco

15/07/2017 09h43

Tóquio, 15 Jul 2017 (AFP) - O Japão proibirá a partir do próximo ano as visitas à ilha de Okinoshima, um dos lugares mais sagrados do arquipélago e inscrito no domingo passado no patrimônio mundial da Unesco.

Esta ilha no Mar do Japão estava vetada às mulheres e só recebia visitantes um dia por ano, em 27 de maio. Seu número se limitava a 200 homens, que deviam fazer suas abluções antes de entrar em Okinoshima.

Mas o complexo de templos Munakata Taisha, proprietário da ilha, decidiu proibir a partir de 2018 as visitas de todos os laicos, mulheres ou homens, para proteger o lugar, segundo um dos porta-vozes.

Os monges xintoístas serão os únicos que poderão ter acesso à ilha, assim como pesquisadores que trabalham para preservar a zona.

Segundo a tradição, o único residente de Okinoshima, situada diante de Kyushu, a ilha mais meridional do Japão, é um monge.

A ilha foi durante muito tempo local de intercâmbio com o exterior e abriga inúmeros vestígios desse passado.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Entretenimento

Topo