Entretenimento

Sítios de Brasil e México, candidatos a Patrimônio da Humanidade pela Unesco

30/06/2017 12h28

Paris, 30 Jun 2017 (AFP) - Do cais do Valongo, no Rio de Janeiro, à cidade modernista de Asmara, na Eritreia, 34 sítios do mundo todo esperam ser incluídos na lista de Patrimônio da Humanidade da Unesco.

O anúncio deve ser feito por ocasião da próxima reunião do comitê ad hoc da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), que acontece de 2 a 12 de julho em Cracóvia, na Polônia.

Sete sítios naturais, 26 culturais e um misto poderão se somar aos 1.052 lugares que já gozam desse status que reconhece neles um "valor universal excepcional" e que, justamente por isso, devem ser preservados acima de tudo.

Entre os naturais, destacam-se o Parque Nacional Los Alerces - que ocupa 260.000 hectares na pré-Cordilheira dos Andes na Argentina - e as Florestas Primárias de Faia dos Cárpatos e de outras regiões europeias, entre elas a Espanha.

Além de ser um motivo de orgulho nacional, integrar a lista pode disparar o número de turistas e alavancar o volume de recursos econômicos. Ao mesmo tempo, pode levantar polêmicas nacionais, ou gerar atritos diplomáticos.

Depois das resoluções da Unesco sobre Jerusalém, as quais deflagraram protestos por parte de Israel ao ser considerado "potência ocupante", o comitê tratará de outro caso espinhoso: a inscrição, solicitada pelos palestinos de forma urgente, da Cidade Velha de Hebron. Essa cidade abriga o Túmulo dos Patriarcas, onde estariam os restos mortais de Abraão, pai das três religiões monoteístas.

- 'Decisões técnicas, não políticas'"A geopolítica é complicada nessa região", admitiu a diretora do Centro de Patrimônio Mundial da Unesco, Mechtild Rössler, ressaltando, porém, que "não se trata de política".

"As decisões são técnicas, e o objetivo é preservar patrimônios de valor excepcional", garantiu.

Para o Ministério israelense das Relações Exteriores, a inclusão dessa cidade da Cisjordânia refletirá uma "politização da organização".

"Apesar das decepções passadas, esperamos que um número suficiente de Estados-membros se oponha a essa iniciativa, que pode criar uma nova divisão política na Unesco", declarou a Chancelaria israelense, classificando o pedido como "infundado".

Os judeus reivindicam uma presença de 4.000 anos em Hebron.

Os debates sobre as novas nomeações serão, especificamente, entre 7 e 9 de julho. Nos dias anteriores, esse comitê formado por 21 países examinará o estado de conservação dos bens que já integram a lista.

Cinco deles estariam com indicação para serem transferidos para a categoria de "patrimônio em perigo", incluindo - pelo terceiro ano consecutivo - o vale de Katmandu, devastado por um violento terremoto em 2015. O Nepal discorda, temendo uma queda no número de turistas.

Também podem ser declaradas em perigo as 244 ilhas e áreas protegidas do Golfo da Califórnia (México), um "laboratório" para os cientistas, onde vivem 39% e 33% do total mundial das espécies de mamíferos marinhos e de cetáceos, respectivamente.

Outro candidato é a parte antiga de Viena, por causa de um grandioso projeto arquitetônico, muito criticado no país e que prevê a construção de uma torre de 66 metros - bem acima do limite de 43 metros permitido pela Unesco para esse sítio.

"Em 1999-2000, já havíamos advertimos contra um projeto enorme, que foi retirado. Achei que tivessem aprendido a lição. Me enganei", lamentou Rössler.

- Art déco na ÁfricaEntre os sítios culturais, um dos destaques é o Cais do Valongo, no Rio de Janeiro, considerado porta de entrada dos escravos africanos no Brasil e onde vários blocos de pedra se tornaram testemunhas dolorosas de sua história.

Também está na lista de indicados a localidade de Asmara, uma cidade modernista da África com cinemas art déco, postos de gasolina futuristas e prédios da "Itália Fascista", segundo a apresentação feita no dossiê de candidatura da Eritreia. O país esteve sob jugo italiano do final do século XIX até a Segunda Guerra Mundial.

Já o México aspira a incluir um sítio misto: o árido Vale de Tehuacán-Cuicatlán. A região tem vestígios evocadores da origem da agricultura e da transição dos caçadores-coletores para as sociedades neolíticas sedentárias. Conta ainda com uma importante reserva animal, com 141 espécies de aves, entre elas o beija-flor, um importante colonizador para alguns cactos.

bur-jg/elr/jvb-app/pc/tt
 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Mais Entretenimento

Topo