Entretenimento

"Okja", o monstro do Netflix que provoca polêmica em Cannes

19/05/2017 07h13

Cannes, França, 19 Mai 2017 (AFP) - O filme "Okja" do sul-coreano Bong Joon-ho, o primeiro do Netflix a disputar a Palma de Ouro, teve sua primeira exibição nesta sexta-feira em Cannes marcada por um incidente, com uma interrupção de vários minutos por um problema técnico.

Na primeira exibição do filme no Grande Teatro Lumière do Palácio do Festival, a cortina não estava completamente suspensa sobre a tela e tapava 3/5 da imagem, como por exemplo a cabeça da atriz principal, Tilda Swinton.

Na sala, onde a expectativa era grande para a projeção aguardada e polêmica, algumas vaias e aplausos foram registrados para alertar os técnicos.

"Ha, isto não foi realmente feito para o cinema", ironizou um espectador em referência à plataforma de streaming, enquanto outro criticava um "bando de incompetentes".

A exibição foi retomada após oito minutos de interrupção.

Quando o logo do Netflix apareceu durante os créditos, algumas pessoas na sala aplaudiram.

Desde o anúncio da seleção de "Okja" e de outro filme produzido pelo Netflix - "The Meyerowitz Stories", do americano Noah Baumbach, que será exibido domingo -, para a mostra oficial de Cannes, a plataforma americana enfrenta a revolta dos defensores das salas de cinema.

A gigante do streaming, que tem 100 milhões de assinantes, não pretende exibir os dois filmes nas salas de cinema francesas. A situação provocou irritação entre os puristas da sétima arte e o circuito exibidor francês.

Pressionados, os organizadores do festival mudaram as regras para exigir, a partir de 2018, que todo filme na disputa pela Palma de Ouro se comprometa a ser exibido nas salas francesas.

Na quarta-feira, o presidente do júri desta edição do festival, o espanhol Pedro Almodóvar, voltou a comentar a polêmica.

O cineasta de 67 anos afirmou que a Palma de Ouro deveria ser exibida nas salas de cinema.

"Seria um enorme paradoxo que a Palma de Ouro ou qualquer outro prêmio entregue a um filme não possa ser assistido nas salas de cinema", disse.

O ator americano Will Smith, membro do júri, teve uma postura mais conciliadora.

"Netflix é útil em meu país porque permite que as pessoas assistam filmes que de outra forma nunca teriam acesso", declarou, sem revelar que seu próximo longa-metragem, "Bright", será produzido pela cada vez mais poderosa plataforma de streaming.

"Okja", filme de fantasia, que será disponibilizado pelo Netflix a partir de 28 de junho, conta a história da amizade entre uma menina e um grande animal, geneticamente modificado, que uma multinacional deseja capturar.

A britânica Tilda Swinton e o americano Jake Gyllenhaal são os protagonistas do segundo filme americano do sul-coreano Bong Joon-ho, depois de "Expresso do Amanhã".

"É um filme muito político sob a aparência de comédia, que trata sobre a forma como são explorados os animais", disse Thierry Frémaux, delegado geral do festival.

O presidente do Netflix, Reed Hastings, escreveu no Facebook na semana passada, em plena polêmica, que "Okja" é "um filme incrível, cuja participação na competição de Cannes as salas de cinema querem impedir.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo