Entretenimento

Polônia: divergências políticas ameaçam novo Museu da Segunda Guerra

30/01/2017 19h28

Gdansk, Polónia, 30 Jan 2017 (AFP) - Os poloneses puderam visitar no domingo (30) pela primeira vez - e talvez a última - o novo Museu da Segunda Guerra Mundial, em Gdansk, na mira do governo nacionalista, que considera que o local carece de patriotismo.

Iniciado pelo ex-primeiro-ministro liberal e atual presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, o museu apresenta um vasto panorama internacional do conflito, concentrado no destino dos civis.

O governo nacionalista do partido Direito e Justiça (PiS) de Jaroslaw Kaczynski, no poder desde novembro de 2015, considerou que o museu não dedica espaço suficiente ao heroísmo dos poloneses.

Tal acusação corresponde à ideologia do PiS, que busca reforçar o patriotismo com a exaltação dos conflitos armados do passado.

O grande edifício fica próximo da península de Westerplatte, contra a qual a Marinha alemã disparou os primeiros obuses da Segunda Guerra Mundial, em 1º de setembro de 1939. A construção desse imóvel, situado em uma parte do centro histórico de Gdansk arrasada durante o conflito, custou 104 milhões de euros.

Na exposição principal, um muro de malas simboliza a deportação em massa dos judeus da Europa para os campos de extermínio. O sapato rasgado de um menino morto durante a insurreição de Varsóvia de 1944 lembra a carnificina de civis cometida pelos nazistas. Um objeto de porcelana fundido pelo fogo nuclear de Hiroshima evoca a chegada da bomba atômica.

O futuro do local pode ser decidido em breve. Recentemente, um tribunal aprovou sua fusão com outro museu, o qual existe apenas no papel, a partir de 1º de fevereiro. Uma mudança estrutural desse tipo também implica a troca da direção.

O diretor do estabelecimento, Pawel Machcewicz, disse à AFP no domingo que não sabe o que acontecerá em 1º de fevereiro.

"O Ministério da Cultura não entra em contato conosco há meses, e o ministro (Piotr) Glinski nunca visitou o museu", afirmou.

Glinksi não se pronunciou sobre o assunto desde que o tribunal anunciou sua decisão. Em novembro, assegurou que ninguém iria "destruir o Museu da Segunda Guerra Mundial criado por seus predecessores".

A Segunda Guerra deixou mais de 55 milhões de mortos, em sua maioria civis, segundo o museu. Cerca de 10 milhões eram crianças.

A Polônia perdeu cerca de seis milhões de cidadãos entre 1939 e 1945, metade deles judeus, o que representa 17% de sua população, a taxa mais alta em nível mundial.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo