Entretenimento

Papa critica atração da mídia pelo escândalo

07/12/2016 22h05

Cidade do Vaticano, 8 dez 2016 (AFP) - O papa Francisco criticou a "coprofilia" na mídia, ao criticar os meios de comunicação e sua atração pelo escândalo, em entrevista publicada nesta quarta-feira na revista católica belga Tertio.

"Não se deve cair - sem ofensas, por favor - na doença da coprofilia: que é buscar sempre comunicar o escândalo, comunicar as coisas feias, mesmo que sejam verdade", declarou o pontífice durante a entrevista, concedida em espanhol.

"E como as pessoas têm a tendência à coprofagia, pode fazer muito mal", acrescentou.

O papa argentino, que costuma conceder entrevistas a veículos católicos, nas quais conversa livremente sobre vários temas, reconheceu que considera chave o papel dos meios de comunicação no mundo moderno como um instrumento para educar e formar, embora tenha advertido que podem cair em diferentes tentações.

"A desinformação é, provavelmente, o pior dano que um meio pode fazer. Porque orienta a opinião em uma direção, tirando a outra parte da verdade. Os meios, eu penso, têm que ser muito muitos, muito limpos e muito transparentes", disse.

Em sua análise o papa reconhecer o poder dos veículos de comunicação por sua "capacidade de formar opinião, boa ou ruim", reforçou.

"Os meios de comunicação são construtores de uma sociedade", disse.

Como se fosse uma lição, o pontífice argentino alertou para as grandes tentações em que os veículos podem cair.

"Podem ser tentados à calúnia (então, usados para caluniar e sujar as pessoas), sobretudo no mundo da política", admitiu.

Francisco defendeu sua exortação apostólica Amoris Laetitia, em que vincula a defesa dos pobres à do meio ambiente e criticou novamente a guerra.

"Há uma teoria econômica que eu nunca tentei constatar, mas a li em vários livros: que na história da humanidade, quando um Estado encontrava que seus balanços não andavam, faziam uma guerra e punham em equilíbrio seus balanços", disse.

"Penso que (o continente europeu) não levou a sério o 'Guerra nunca mais', porque depois veio a segunda e depois da segunda está esta terceira que estamos vivendo agora aos pedacinhos", afirmou.

"É que hoje em dia faltam líderes, a Europa precisa de líderes, líderes que sigam adiante", admitiu na entrevista.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo