Entretenimento

Termina em Londres interrogatório de Assange por denúncia de estupro

15/11/2016 16h06

Estocolmo, 15 Nov 2016 (AFP) - O interrogatório em Londres do fundador do WikiLeaks, Julian Assange, sobre uma denúncia de estupro apresentada contra ele na Suécia em 2010, terminou nesta terça-feira, após dois dias de audiência, um novo capítulo de um caso que tem repercussão diplomática.

O interrogatório aconteceu na embaixada do Equador, onde o australiano, 45, está refugiado desde 2012. O procurador equatoriano Wilson Toainga fez as perguntas, na presença da colega sueca Ingrid Isgren.

"O resultado será divulgado posteriormente por escrito pelo Equador aos procuradores suecos. Quando tiver sido redigida a ata, os procuradores irão determinar uma posição sobre o prosseguimento da investigação preliminar", disse a procuradoria em um comunicado.

O advogado sueco de Assange, Per Samuelsson, anunciou que irá recorrer da decisão judicial de não deixá-lo assistir ao interrogatório.

Assange nega o estupro pelo qual o acusa desde 2010 uma sueca. Segundo o WikiLeaks, o australiano cooperou totalmente durante o interrogatório, que solicitou há tempos, mas que a procuradoria sueca lhe havia negado por considerar que não se reuniam as condições necessárias na embaixada de Londres.

A Justiça sueca reprova Assange por ter evitado sistematicamente suas convocações, mas, segundo seu advogado, ele "sempre quis apresentar sua versão dos fatos diretamente aos investigadores".

"Quer ter a oportunidade de limpar sua imagem (...) e espera que a investigação preliminar seja suspensa" após o interrogatório.

A advogada da mulher que apresentou a denúncia, Elisabeth Fritz, considerou positivo o fato de Assange ter sido interrogado.

Um primeiro interrogatório, previsto para meados de outubro com o procurador Toainga, foi adiado a pedido de Assange, que alegou garantias insuficientes de proteção, segundo o Equador.

Desde a denúncia de 2010, o fundador do Wikileaks enfrenta uma ordem de prisão europeia, motivada pela investigação da Justiça sueca.

Assange teme voltar à Suécia por medo de ser extraditado para os Estados Unidos, onde é criticado pela publicação pelo WikiLeaks, em 2010, de 500 mil documentos classificados sobre Iraque e Afeganistão, assim como 250 mil comunicações diplomáticas.

Ele não deixou a embaixada em Londres desde então, recluso em um pequeno apartamento e tendo que se contentar com algumas aparições públicas em sua varanda.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo