Entretenimento

Polônia chora o diretor Andrzej Wajda

10/10/2016 16h59

Varsóvia, 10 Out 2016 (AFP) - Figuras destacadas do mundo das artes e da política prestaram nesta segunda-feira na Polônia uma emotiva homenagem ao diretor Andrzej Wajda, que faleceu na véspera aos 90 anos.

"Todos somos Wajda. Víamos a Polônia e a nós mesmos através dele. E a entendíamos melhor. A partir de agora, será mais difícil", lamentou no Twitter Donald Tusk, presidente do Conselho Europeu e ex-primeiro-ministro polonês.

Desde o seu segundo filme, "Kanal", premiado em 1957, em Cannes, ao póstumo "Powidoki" (Afterimage, 2016), que a Polônia apresenta este ano ao Oscar de melhor filme estrangeiro, Wajda explicou aos poloneses e ao mundo inteiro sua história através de grandes momentos, mas também com suas épocas mais obscuras.

Em seus filmes, Wajda, que ganhou um Oscar pelo conjunto da Obra no ano 2000, deixa para trás uma longa série de filmes celebrados, nos quais explicou aos poloneses e ao mundo inteiro sua história, dos grandes momentos ao períodos mais obscuros.

"Um grande personagem, um grande polonês, um grande patriota e um grande diretor passaram à eternidade", lamentou Lech Walesa, líder histórico do sindicato Solidariedade e Prêmio Nobel da Paz.

"Cada vez que nos víamos, dizia coisas de grande sabedoria", destacou à AFP o ex-presidente, que apareceu no filme "O homem de ferro", que conta, quase em tempo real, a história do Solidariedade, o primeiro sindicato independente do bloco comunista, e que ganhou a Palma de Ouro em Cannes em 1981.

"Nós voltaremos a nos ver; já fiz minha malas", acrescentou Walesa ante vários jornalista, sem mais detalhes.

O diretor polonês Roman Polanski disse que o diretor falecido um "símbolo de coragem e de liberdade" e que com ele chega ao fim um período de sua vida.

A escola de cinema de Lodz (centro), de onde saíram todos os grandes nomes da sétima arte na Polônia, incluindo Wajda, colocou nesta segunda-feira bandeiras negras em sua entrada.

"Foi um homem corajoso, de uma grande autoridade, um mestre para os jovens", assinalou o ator Daniel Olbrychski, que atuou em 13 filmes de Wajda.

"Ele nos falava de nossas minúcias e das nossas grandezas, direto nos olhos, sem seguir os rodeios da mentira", acrescentou.

Resumindo o sentimento geral, um crítico de cinema, Tomasz Raczek, escreveu no Twitter: "O luto no cinema polonês será longo".

Sempre ativoNos últimos meses, os amigos constataram que sua saúde estava se deteriorando, mas, mesmo assim, Wajda se mantinha muto ativo, apoiado por sua esposa, Krystyna Zashwatowicz, atriz, diretora e cenógrafa.

Wajda morreu no domingo por causa de uma insuficiência pulmonar. O diretor estava internado há vários dias e em coma induzido devido a problemas pulmonares.

"Sabíamos que estava doente, que tinha 90 anos. Entrou há alguns dias no hospital, mas esperávamos que saísse", explicou à emissora privada TVN24 o diretor e presidente da associação de cineastas poloneses Jacek Bromski.

Apesar da idade avançada, Wajda se manteve muito ativo nos últimos anos, apoiado por sua mulher, Krystyna Zashwatowicz, atriz, diretora e cenógrafa.

O diretor voltou-se para o cinema após fracassar no plano original de seguir a carreira militar.

A obra de Wajda inclui clássicos como "O homem de mármore" (1977), uma crítica à Polônia comunista, seguida três anos depois por "O homem de ferro".

A Palma de Ouro em Cannes por "O homem de ferro" também salvou Wajda da prisão em 1981, quando o regime do general Wojciech Jaruzelski lançou uma ofensiva contra o Solidariedade.

Porém, não lhe restava outra saída que continuar filmando no exterior. Neste período, lançou "Danton" (1983), "Um amor na Alemanha" (1986) e "Os Possessos" (1988).

Após a queda do comunismo, em 1989, Wajda retornou à história polonesa com diferentes filmes, como "Katyn" (indicado ao Oscar em 2008) e que conta a história de seu pai, Jakub Wajda, um dos 22.500 oficiais poloneses massacrados em 1940 pelos ocupantes soviéticos.

Amante do teatro, Wajda também dirigiu dezenas de peças, algumas no exterior, como América do Sul e Japão.

Wajda era fascinado pela cultura japonesa e criou em 1994 o Centro Manggha de Arte e Tecnologia Japonesa, na cidade histórica polonesa de Cracóvia.

Em 2002, ele criou sua própria escola de direção e roteiro.

Seu filme póstumo, "powidoki" (Afterimage), que conta os últimos anos de vida do pintor de vanguarda Wladislaw Strzeminski e sua luta contra o stalinismo, foi concluído neste ano (ainda não estreou em salas comerciais) e será candidato ao Oscar pela Polônia.

"Com este filme, queria alertar para o perigo de qualquer intervenção do Estado nos assuntos da arte", declarou em uma de suas últimas aparições em público, há 115 dias, em um festival de cinema polonês em Gdynia (norte).

bo-via-sw/rap/es.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo