PUBLICIDADE
Topo

Cineastas brasileiros protestam em Cannes contra 'golpe' de Temer

17/05/2016 14h45

Cannes, França, 17 Mai 2016 (AFP) - A equipe do filme brasileiro "Aquarius", liderada pelo diretor Kleber Mendonça Filho e pela atriz Sônia Braga, protestou nesta terça-feira no tapete vermelho de Cannes contra o "golpe de Estado no Brasil".

"Um golpe ocorreu no Brasil", "Resistiremos" e "Brasil não é mais uma democracia" foram alguns dos cartazes, escritos em diversos idiomas, que o cineasta e sua equipe seguraram na famosa escadaria do Palácio de Festivais.

Na sala do Grande Teatro Lumière, o filme recebeu uma prolongada ovação após sua exibição.

Na sala de exibição, o grupo voltou a se manifestar ao grito de "Fora!", enquanto outras pessoas seguravam uma faixa com a frase: "Stop coup in Brazil" (Detenham o golpe no Brasil).

Um dos presentes abriu sua blusa para deixar à mostra uma camiseta com a inscrição "Super Dilma", em referência à presidente Dilma Rousseff, afastada neste mês de seu cargo no âmbito da abertura de um julgamento de impeachment, denunciado por ela como um "golpe de Estado".

Minutos depois começou a projeção de "Aquarius", o único filme da América Latina entre os 21 aspirantes à Palma de Ouro. O longa conta a história de Clara (Sônia Braga), uma mulher que resiste a pressões de promotores imobiliários para deixar seu apartamento no Recife.

Vários cineastas brasileiros presentes em Cannes criticaram o "golpe de Estado" de Michel Temer, que assumiu a presidência após a abertura do julgamento de impeachment de Dilma, e sua decisão de acabar com o ministério da Cultura, integrando-o ao da Educação.

Um país divididoMendonça Filho reencontrou em Cannes a atriz de seu filme, Sônia Braga, que mora em Nova York e a quem ele não via desde o fim das filmagens na capital pernambucana. Ambos falaram sobre os últimos acontecimentos no Brasil.

"Eu moro nos Estados Unidos, mas também no Brasil, tenho família e amigos lá e penso que o que está acontecendo, a manipulação da tomada do poder, tem que ser exposto ao mundo inteiro", afirmou Sônia Braga à AFP.

"Uma das coisas que mais me preocupa é como o Brasil está dividido. Nunca havia visto o meu país tão dividido", disse a atriz.

De acordo com a estrela, de 65 anos, "tudo o que se fez desde o fim da ditadura, desde a abertura do Brasil, fizemos juntos. Temos que entender que em dois anos, de qualquer forma, vamos votar para presidente. Temos que voltar a fazer as coisas juntos".

O diretor Eryk Rocha apresentou em Cannes "Cinema Novo", um documentário poético sobre o movimento cinematográfico, um dos mais importantes da América Latina e que revolucionou a criação artística nos anos 1960 e 1970.

"O Brasil está entrando em um novo momento, extremamente grave e de incerteza. Como cidadão, sinto uma profunda impotência e angústia com o que está acontecendo: o Brasil está vivendo uma ruptura muito grave no processo democrático", disse.

Outras vozesO cineasta criticou em particular o fim do ministério da Cultura. "É um reflexo do grande retrocesso que está acontecendo no Brasil", afirmou.

"Há dois erros gravíssimos. O primeiro é desarticular um ministério da Cultura que em todos os países do mundo - como na França - é um eixo fundamental do desenvolvimento. O outro é desarticular o da Educação", disse.

"É necessário reconstruir esta ideia do coletivo para transformar o mundo", disse o cineasta, que fez questão de afirmar não ser "nem lulista nem petista", e sim um "artista independente".

"O cinema pode criar outra voz, outros olhares e outra percepção da realidade, do que está acontecendo", disse.

Isabel Penoni e Valentina Homem são duas jovens diretoras brasileiras que começaram a fazer cinema nos últimos anos.

Em Cannes elas apresentaram, na mostra Quinzena dos Realizadores, o curta-metragem "Abigail", sobre a viúva do antropólogo Francisco Meireles, conhecido por seu trabalho com as comunidades indígenas nos anos 1940 e 50.

A visão de ambas sobre o que está acontecendo no Brasil também é muito crítica.

"Do ponto de vista de quem faz cinema e quem trabalha com arte é terrível, porque havia conquistado algumas coisas graças às políticas de cultura, sobretudo com o governo Lula, que democratizou a cultura. Agora a tendência é ter muito menos investimento regular na produção", disse Penoni.

Valentina Homem observou que quase todos os filmes brasileiros exibidos em Cannes este ano - incluindo o próprio, o de Kleber Mendonça Filho, o de Eryk Rocha, assim como o curta aplaudido na Semana da Crítica "O Delírio é a Redenção dos Aflitos", de Fellipe Fernandes - foram produzidos em grande parte com dinheiro público canalizado por iniciativas dos governos anteriores.