Entretenimento

Construção de 7 andares no centro histórico de Cuzco gera polêmica

02/02/2016 19h48

Lima, 2 Fev 2016 (AFP) - Patrimônio cultural da humanidade desde 1983, Cuzco acaba de paralisar a construção de um edifício de sete andares destinado a ser um hotel de luxo em pleno centro histórico da cidade peruana.

A altura máxima permitida em Cuzco para suas edificações é de dois andares.

Segundo as autoridades, o edifício rasga a paisagem urbanística, uma mescla de vestígios incas e de arquitetura colonial. A cidade conta com um plano mestre desde 2004, o qual proíbe expressamente construções superiores a dois andares e sótão.

A polêmica edificação recebeu a concessão de uma comissão multissetorial integrada pela prefeitura de Cuzco, a Direção Desconcentrada de Cultura (DDC), Defesa Civil, escolas de engenheiros e arquitetos.

Em 2010, obteve-se uma licença para a construção e, em 2013, solicitou-se a modificação do projeto para alcançar os sete andares. Recebeu a nova autorização um ano depois, no final do mandato do prefeito anterior.

Em novembro, alguém se deu conta de que a "volumetria da construção" - o conjunto das dimensões que determinam o tamanho de uma construção - afetava a harmonia arquitetônica das casas em ruínas da cidade. Diante disso, a DDC pediu ao município para paralisar o projeto.

A prefeitura anulou a licença da edificação.

A Sociedade de Hotéis do Peru (SHP) declarou ao jornal Gestión que o edifício conta com todas as permissões para operar e, por isso, fechá-lo seria uma mensagem nefasta para os investidores.

"Não posso assegurar que é preciso demoli-lo, mas deve se ajustar aos parâmetros. Deveria ter dois andares, mas tem dez (contando os sótãos)", declarou à AFP o arquiteto Oscar Chara, gerente do Centro Histórico da Prefeitura de Cuzco, que responsabilizou o Ministério da Cultura por não advertir sobre esta edificação, a apenas alguns metros de seu escritório.

"A rua tem duas entradas. Em ambos os pontos é possível ver que cumprem com os parâmetros de dois andares. À primeira vista, não se nota a infração", disse por telefone à AFP o chefe da DDC, Daniel Maraví, que assumiu o cargo depois de iniciado o conflito.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo