Entretenimento

Documentário francês é censurado por ser considerado propaganda 'jihadista'

27/01/2016 20h16

Paris, 27 Jan 2016 (AFP) - O polêmico documentário sobre o Islã radical "Salafistas", com imagens de propaganda do Estado Islâmico (EI), foi proibido para menores de 18 anos na França.

"Decidi seguir o conselho da Comissão de Classificação de Obras Cinematográficas", anunciou a ministra da Cultura da França, Fleur Pellerin, nesta quarta-feira, depois que a comissão se pronunciou, "por uma ampla maioria", a favor da proibição de "Salafistas" para menores de 18.

A ministra justificou sua decisão, "levando-se em conta a tomada de posição (do documentário) de difundir, sem comentários, cenas e discursos de uma violência extrema".

Segundo fontes ligadas ao Ministério francês do Interior, o ministro Bernard Cazeneuve também se posicionou, fortemente, neste sentido.

O codiretor do filme, François Margolin, classificou de "hipocrisia" a decisão, bastante incomum, do governo francês.

Para Margolin, que produziu o filme com o jornalista mauritano Lemine Ould Salem, "é uma verdadeira hipocrisia querer fingir proteger os menores, já que se trata de censura pura e simples".

"Na verdade, a proibição para menores de 18 anos impede qualquer difusão pela televisão e dificulta muito a exploração do filme em salas de cinema", acrescentou François Margolin.

A decisão do governo foi tomada após vários dias de polêmica, com os diretores de "Salafistas" sendo acusados de fazer apologia do terrorismo. Segundo o jornal conservador "Le Figaro", trata-se de "uma revoltante logorreia que não ajuda em nada a compreender o inaceitável".

Rodado sobretudo no Mali, na Tunísia e na Mauritânia, entre 2012 e 2015, o documentário mostra, em raras sequências no terreno, integrantes da Al-Qaeda no Magreb Islâmico (Aqmi).

Sem voz em "off", ou comentários, o filme é entrecortado de imagens de propaganda e vídeos - alguns bastante violentos - do Estado Islâmico (EI).

Uma outra sequência alimentou a polêmica e acabou sendo retirada da obra: imagens nítidas da execução de um policial francês pelos extremistas autores do atentado cometido contra a revista satírica "Charlie Hebdo", em 7 de janeiro de 2015. A sequência foi considerada particularmente chocante pelos sindicatos de Polícia.

O documentário será lançado nesta quarta em alguns poucos cinemas - dois em Paris, dois no subúrbio parisiense e um na província) -, acompanhado de um aviso de classificação etária.

No cinema, a proibição para menores de 18 deve estar expressa claramente nos anúncios, cartazes e nas salas.

Essa nova polêmica ilustra o clima tenso do debate público na França, envolvendo questões sobre o Islã radical, o "jihadismo" e o terrorismo.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo