Entretenimento

Alice continua viva 150 anos depois de visitar o País das Maravilhas

30/11/2015 12h29

Londres, 30 Nov 2015 (AFP) - Um século e meio depois da publicação, o clássico "Alice no País das Maravilhas", do britânico Lewis Carroll, continua fascinando leitores e inspirando artistas.

Uma exposição na Biblioteca Britânica mostra como a história e seus personagens ganharam rapidamente vida própria depois da publicação do livro em 1865, inspirando músicos e os primeiros cineastas.

Os visitantes caminham por grandes espelhos distorcidos e ilustrações, que servem de guia através da trama do livro, antes de descobrir a história de como "Alice" se tornou u clássico.

A mostra começa com a explicação sobre o nascimento da história: em um dia de verão em Oxford em 1862, Charles Dodgson, um professor de Matemática que adotou o pseudônimo de Lewis Carroll, fez uma viagem de barco com uma menina de 10 anos chamada Alice Liddell e duas de suas irmãs, e contou uma história para as meninas.

A peça central da exposição é o manuscrito original de Carroll com 37 ilustrações cuidadosas e apresentado a Alice em 1865 com a dedicatória "um presente de Natal a uma menina querida, em recordação a um dia de verão".

Alice Liddell vendeu o manuscrito por um preço recorde em 1928 a um colecionador americano, mas o texto acabou doado ao Museu Britânico depois da Segunda Guerra Mundial "como expressão de agradecimento a um povo nobre que manteve Hitler na linha durante um longo período sem ajuda".

Dodgson revisou o manuscrito original, retirando passagens pessoais adicionando trechos, para que fosse publicado com o pseudônimo "Lewis Carroll".

O livro foi publicado em novembro de 1865 com ilustrações do artista John Tenniel, que transformaram os personagens da trama em ícones.

"Agora é parte de nossa consciência cultural", disse Helen Melody, uma curadora da mostra da 'British Library'.

"O texto da história é muito rico, mas não contém muitas descrições ... há muita margem para diferentes interpretações, maneiras diferentes de imaginar".

A exposição destaca a evolução da interpretação visual do mundo de Carroll ao longo das décadas, e como continua mudando de forma.

Alice foi representada como uma ruiva angelical pela ilustradora Mabel Lucie Attwell, em uma interpretação que rendeu uma fortuna, ou com o cabelo escuro como o de Liddell por outros artistas, de forma doce ou sinistra, e sempre sob a influência do contexto da época, como por exemplo as guerras mundiais.

Muitos visitantes recordam que o livro provocou medo quando eram crianças.

A versão loura de Alice com o vestido azul começou a ganhar espaço como a imagem definitiva na primeira metade do século XX e se consolidou graças ao filme dos estúdios Disney de 1951.

A mostra permite aos fãs observar a inspiração que Alice provocou em artistas de todo tipo, de um curta-metragem de 1903, passando pelo álbum "White Rabbit" do grupo psicodélico Jefferson Airplane e chegando a um jogo eletrônico atual.

Com o rápido sucesso do livro, Carroll começou a trabalhar em uma sequência e ajudou a desenvolver o merchandising vinculado à trama, como xícaras de chá, brinquedos e latas de biscoito.

nol/fp

THE WALT DISNEY COMPANY

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Mais Entretenimento

Topo