Entretenimento

Após atentados, "Paris É uma Festa", de Hemingway, vira febre na França

Reprodução/Twitter/Pierre Tremblay
Cercada de velas, cópia de "Paris É uma Festa" é deixada em bar alvo de atentados Imagem: Reprodução/Twitter/Pierre Tremblay

Paris (França)

18/11/2015 20h12

O romance "Paris É uma Festa", memórias alegres e ternas do escritor norte-americano Ernest Hemingway relatando sua temporada na capital francesa nos anos 1920, ganhou novo sopro de popularidade desde os atentados da última sexta-feira (13).

O livro do autor de "Por quem os Sinos Dobram" está voando das prateleiras das livrarias parisienses. Exemplares foram colocados entre flores e velas diante da fachada atingida por balas de um dos bares atingidos pelos terroristas.

O livro também é encontrado diante da casa de shows Bataclan, centro da chacina que deixou 129 mortos e 352 feridos. Durante o minuto de silêncio em homenagem às vítimas na última segunda (16), inúmeras pessoas seguravam um exemplar nas mãos.

"Paris É uma Festa" era nesta quarta-feira o mais vendido da seção de biografias do site Amazon. O livro está atualmente em falta no estoque da gigante americana da distribuição on-line.

Em geral, os livreiros vendem 10 exemplares da obra de Hemingway por dia. "Neste momento, são 500", contou David Ducreux, assessor de imprensa da editora Folio, que publica o romance.

Enquanto 8.000 exemplares de "Paris É uma Festa" são vendidos em média anualmente, a editora previu uma reimpressão de 15.000 exemplares do livro.

Esse entusiasmo lembra o que foi gerado em torno do "Tratado da Tolerância" de Voltaire, em janeiro, após o ataque contra a revista Charlie Hebdo. A editora teve que fazer uma reedição do livro do filósofo depois de vender 120.000 cópias.

"Paris É uma festa" pode ser descrito como uma homenagem a uma cidade, aquela dos anos 1920, vibrante de cultura. É possível cruzar com artistas que frequentavam à época o bairro de Montparnasse, além de encontrarmos com a colecionadora Gertrude Stein, o poeta Ezra Pound, o escritor James Joyce.

"Essa era a Paris da nossa juventude, onde éramos muito pobres e muito felizes", escreve Hemingway. "Paris sempre vale a pena, e retribui tudo aquilo que você lhe dê."

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Entretenimento

Topo