Entretenimento

Nobel de Literatura se diz assustada com adoração de jovens russos a Putin

De Paris (França)

13/11/2015 11h01

"O que mais tememos é o nacionalismo russo", afirma em uma entrevista à AFP a escritora bielorrussa Svetlana Alexievich, que em dezembro receberá o Nobel de Literatura em Estocolmo (Suécia). Ela constata que o presidente russo, Vladimir Putin, é adulado por parte da população russa, sobretudo os jovens. Alexievich admite estar "assustada" com o "renascimento do nacionalismo russo".

A autora de língua russa que dá voz aos testemunhos ignorados das grandes tragédias soviéticas, como a Segunda Guerra Mundial, o conflito no Afeganistão ou a catástrofe de Chernobyl, não sente nenhuma nostalgia do passado, mas tampouco está satisfeita com o presente.

Na Bielorússia, onde mora parte do ano, "as pessoas me abraçam, querem fazer fotos comigo" desde que foi anunciada como vencedora do Prêmio Nobel no dia 8 de outubro. Mas para o presidente Alexander Lukashenko "tudo continua como antes", lamenta a autora de "War's Unwomanly Face". "Lukashenko declarou em seguida que eu queria manchar o povo russo", afirma com voz pausada a escritora de 67 anos.

Rússia e Bielorrússia estariam condenadas a viver sob um regime autoritário depois de quase um século de comunismo? "Se está avançando muito rápido", lamenta Svetlana Alexievich.

"Nos anos 1990, quando lançamos a Perestroika, esperávamos que (a democracia) fosse aplicada rapidamente, mas fomos românticos, ingênuos". "O homem não pode ser livre tão rapidamente. Estava em um campo e no dia seguinte está livre. Não! Entendemos que isto levaria seu tempo. Vai acontecer, mas não rapidamente", afirma a escritora.

Sanções beneficiam os ditadores

"Sabemos que todo nacionalismo leva ao fascismo. É o mais perigoso. E esperamos poder evitar. Mas é difícil prever acontecimentos", afirma a nobel.

A autora de "Vozes de Chernobyl", um livro de depoimentos devastadores sobre a catástrofe da central nuclear, não está convencida de que a política de sanções aplicada pelos europeus desde a anexação da Crimeia por Moscou seja eficaz. "Viajei pela Sibéria e depois por Belarus. E fiquei surpresa com o efeito produzido pelas sanções", disse.

"Por um lado, as sanções afetam a economia e prejudicam o poder da ditadura. Mas por outro, ajudam a unir o povo. Criam a imagem do inimigo: a Europa é o inimigo, Estados Unidos aparecem como o inimigo, e o resultado é que a nação se une ao redor de um líder, de um ditador", destaca. "Não encontrei resposta sobre o que deve ser feito", admite. "Se a Ucrânia conseguir se levantar e virar efetivamente um país livre, então será o melhor argumento para as pessoas, atualmente cegas pelo nacionalismo".

Ao falar sobre sua obra, Alexievich afirma que seu vasto painel soviético está concluído. A escritora afirma ter iniciado um novo ciclo, "consagrado ao amor".

Como nos livros anteriores, ela pretende escutar e transcrever centenas de depoimentos anônimos. "Isto leva tempo", conta, sorrindo.

Ela demora entre sete e dez anos para escrever cada obra. Seu editor francês, Michel Parfenov, que a conhece há muitos anos, não consegue superar o espanto com a facilidade da escritora de falar com as pessoas, que confiam nela de uma forma incrivelmente íntima.

"É preciso livrar-se da banalidade", explica. "Não me interessa escrever ou escutar o que você pode ler em outros livros", conclui.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Entretenimento

Topo