Livros e HQs

Romance sobre preconceito contra Oriente vence prêmio Goncourt na França

Divulgação
Capa do romance "Boussole" ("Bússola"), do escritor francês Mathias Enard Imagem: Divulgação

Paris (França)

03/11/2015 17h44

O escritor francês Mathias Enard, de 43 anos, recebeu nesta terça-feira o Prêmio Goncourt, a mais prestigiosa premiação da literatura francesa, por seu romance "Boussole" ("Bússola"), uma erudita e densa reflexão que combate os preconceitos contra o Oriente.

"Estou muito surpreso e feliz", declarou o agraciado à imprensa.

Enard vive boa parte do tempo em Barcelona e disse que deseja "continuar escrevendo livros".

"Boussole" tem uma narrativa com elementos de ensaio e poesia, que reflete sobre as relações entre Oriente e Ocidente, longe dos clichês do "choque de civilizações".

"Com seu fraseado musical, (o livro) transmite amor pelo Oriente e por seus tesouros a preservar", afirmou o primeiro-ministro francês, Manuel Valls, acrescentando que "é uma bússola para nossa época".

Fascinado pela cultura oriental, Enard é um intelectual poliglota que fala árabe e persa, espanhol e catalão, entre outros idiomas.

Depois do anúncio do Goncourt, o autor disse à imprensa que seu romance é "muito acessível".

Um dos objetivos do livro, explicou, é lutar contra a imagem simplista de um Oriente muçulmano e inimigo, mostrando, em contrapartida, tudo o que proporcionou ao Ocidente.

"Nós, os europeus, vemos (as atrocidades cometidas na Síria e em outras partes do Oriente Médio) com o horror da alteridade, mas essa alteridade é igualmente horrorosa para um iraquiano, ou para um iemenita (...) Aquele que identificamos nessas atrozes decapitações como 'o outro', 'o distinto', 'oriental', é igualmente 'outro', diferente' e 'oriental' para um árabe, um turco, ou um iraniano", ressaltou.

O prêmio foi divulgado após as deliberações dos membros da "Academia Goncourt". Esse grupo de literatos se reuniu, como sempre, no restaurante Drouant, no centro de Paris. E é lá que o anúncio acontece, tradicionalmente.

Também anunciado depois do almoço de escritores, o prêmio Renaudot foi para a francesa Delphine de Vigan, por seu romance "D'après une histoire vraie" (em tradução livre: "Segundo uma história real").

Joel Saget/AFP
O escritor Mathias Enard, que reflete sobre as relações entre Oriente e Ocidente em livro Imagem: Joel Saget/AFP

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Página Cinco
UOL Jogos
do UOL
AFP
BBC
BBC
Página Cinco
Página Cinco
AFP
Da Redação
AFP
Página Cinco
do UOL
Página Cinco
Da Redação
do UOL
Página Cinco
Da Redação
Reuters
Página Cinco
Da Redação
do UOL
Página Cinco
EFE
Página Cinco
Da Redação
AFP
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Da Redação
Página Cinco
BBC
Página Cinco
UOL Jogos
UOL Jogos
Entretenimento
Página Cinco
Da Redação
Página Cinco
Entretenimento
AFP
Da Redação
Página Cinco
EFE
do UOL
Página Cinco
Página Cinco
Da Redação
Página Cinco
Da Redação
Topo