Entretenimento

Justiça turca impede publicação de dois jornais ligados à oposição

29/10/2015 11h30

Istambul, 29 Out 2015 (AFP) - Dois jornais turcos ligados à oposição não saíram às bancas nesta quinta-feira, um dia depois de uma operação policial em dois canais de TV do mesmo grupo.

Os jornais Bugün e Millet fazem parte do grupo Ipek-Koza, assim como os canais Bugün TV e Kanaltürk, que tiveram de interromper suas transmissões na quarta-feira.

"Havíamos fechado a edição de nosso jornal e já estava indo para a prensa", contou o redator-chefe de Bugün, Erhan Basyurt, acrescentando ter recebido uma proibição por escrito proibindo a impressão do diário.

Basyurt e dois jornalistas do Bugün foram demitidos nesta quinta-feira, segundo o jornal Zaman.

Millet postou no Twitter a primeira página da edição que seria publicada nesta quinta: a foto de uma carteira de imprensa ensanguentada de um de seus jornalistas sob a manchete "Um golpe sangrento".

Na véspera, a polícia turca assumiu o controle dos dois canais de TV ligados à oposição e forçou o fim de suas emissões, provocando uma nova onda de críticas à guinada autoritária do presidente Recep Tayyip Erdogan.

Durante a transmissão ao vivo, a polícia invadiu a sede dos canais em Istambul. Os agentes usaram gás lacrimogêneo e jatos d'água para dispersar os funcionários que tentaram impedir o avanço.

Também foram registrados confrontos dentro do edifício entre a polícia e os manifestantes e várias pessoas foram detidas, segundo o canal NTV.

Os agentes e os novos administradores do grupo nomeados pela justiça assumiram em seguida o controle dos canais.

A justiça turca decidiu na segunda-feira assumir o controle do grupo Koza-Ipek, acusado pela promotoria de Ancara de financiar, recrutar e fazer propaganda a favor do imã Fethullah Gülen, principal rival do presidente Erdogan, que lidera a partir dos Estados Unidos uma ONG e várias empresas que o governo chama de "organizações terroristas".

Gülen, que foi aliado de Erdogan, se tornou seu principal inimigo após a explosão do escândalo de corrupção de 2013 que envolveu vários integrantes do governo.

Erdogan acusa o religioso de um complô para derrubar o governo. Muitos simpatizantes de Gülen foram detidos desde então.

A tomada de controle das duas emissoras acontece quatro dias antes das eleições legislativas antecipadas de domingo e foi criticada pelos países ocidentais.

"Continuamos pressionando as autoridades turcas para que suas ações respeitem os valores democráticos universais, incluindo a liberdade de imprensa e de reunião", afirmou na terça-feira o porta-voz do Departamento de Estado americano, John Kirby.

A União Europeia (UE) considerou "preocupante" a intervenção do governo turco nas emissoras ligadas À oposição e pediu a Ancara que respeite a liberdade de imprensa.

A tensão entre o governo e os grupos de comunicação aumentou nas últimas semanas com a aproximação das legislativas, nas quais Erdogan e seu Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP) esperam recuperar a maioria absoluta que tiveram durante 13 anos no Parlamento e que perderam nas eleições de junho.

A Turquia ocupa a posição 149 entre os 180 países citados na classificação mundial da liberdade de imprensa da ONG Repórteres Sem Fronteiras, atrás de Mianmar (144) e um pouco à frente da Rússia (152).

A Turquia, que almeja integrar a UE, é considerada pelo bloco um país chave para uma solução da crise migratória no continente.

gkg/pa/ros/gm /app/mr/cn

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo