Livros e HQs

Vencedora do Nobel de Literatura é cronista implacável do império soviético

08/10/2015 10h16

A vencedora do Nobel de Literatura de 2015, a bielorrussa Svetlana Alexievich, retrata o império soviético de Chernobyl ao Afeganistão em livros que não são encontrados em seu país, que não perdoa sua visão do "homo sovieticus", incapaz de ser livre.

A obra da ex-jornalista de 67 anos é rica em depoimentos ouvidos com paciência ao longo do tempo e já foi traduzida para vários idiomas. No entanto, nenhum livro da bielorrussa foi publicado no Brasil até hoje.

"O fim do homem vermelho ou a era do desencanto", um retrato sem concessões, embora compassivo, do "homo sovieticus" mais de 20 anos depois da implosão do império da URSS, recebeu em 2013 o prêmio Medicis de ensaio na França.

"Conheço bem aquele 'homem vermelho': sou eu, as pessoas que me cercam, meus pais", explicou em uma ocasião. "Não desapareceu. E o adeus será muito demorado", disse em outra oportunidade.

Por este motivo, ela diz que tem muito respeito pelos ucranianos que, com seus protestos, expulsaram do poder o ex-presidente pró-Rússia Viktor Yanukovich em 2014.

"Hoje o modelo para todos é a Ucrânia. Seu desejo de romper por completo com o passado é digno de respeito", opinou a vencedora do Nobel sobre o país devastado pelo conflito entre separatistas pró-Rússia e as forças ucranianas.

"Penso que o império ainda não desapareceu. E, pessoalmente, tenho a inquietante impressão de que não desaparecerá sem derramamento de sangue".

Nascida em 31 de maio de 1948 no oeste da Ucrânia em uma família de professores rurais, formada em Jornalismo pela Universidade de Minsk, Svetlana Alexievich trabalhou nos anos 1970 na editoria de cartas à redação do "Selskaya Gazeta", o jornal das fazendas coletivas soviéticas.

Na época ela começou a registrar em seu gravador os relatos de mulheres que lutaram durante a Segunda Guerra Mundial. Inspiraram seu primeiro livro "War's Unwomanly Face", algo como a "A Guerra não tem uma face feminina".

"Tudo o que sabíamos da guerra foi contado pelos homens. Por quê as mulheres que suportaram este mundo absolutamente masculino não defenderam sua história, suas palavras e seus sentimentos?", questionou a escritora.

Censura

Ela foi acusada de "romper a imagem heroica da mulher soviética" e seu livro teve que esperar pela Perestroika, a reforma do sistema aplicada por Mikhail Gorbachev, para ser publicado em 1985. Com a obra, alcançou fama em toda a União Soviética e no exterior.

Desde então, sempre recorreu ao mesmo método para seus romances documentais, entrevistando durante muitos anos pessoas com experiências dramáticas: soldados soviéticos que retornaram da guerra no Afeganistão ("Os caixões de zinco") ou suicidas ("Encantados com a morte").

"Vivemos entre carrascos e vítimas, os carrascos são difíceis de encontrar. As vítimas são nossa sociedade, e são muito numerosas", declarou Alexievich à AFP sobre os protagonistas de seus livros.

Após a catástrofe nuclear de Chernobyl em 1986, a escritora trabalhou durante mais de 10 anos em "Vozes de Chernobyl: A História Oral de um Desastre Nuclear" (1997). O livro inclui depoimentos de milhares de homens enviados para trabalhar na central e outras vítimas da tragédia.

Belarus, presidida por Alexander Lukashenko desde 1994, um dos países mais afetados pelas consequências de Chernobyl, onde o tema continua sendo tabu, proibiu o livro.

Segundo a vencedora do Nobel, sua obra "não agrada" o presidente.

"Vivemos sob uma ditadura, há opositores na prisão, a sociedade tem medo e, ao mesmo tempo, é uma vulgar sociedade de consumo. As pessoas não se interessam pela política. É um período difícil", resumiu a escritora na entrevista que concedeu à AFP em 2013.

Os intelectuais bielorrussos também não parecem apreciar as opiniões de Svetlana, que reivindica a "cultura russa" da qual eles desejam distinguir-se e, ao mesmo tempo, passa a maior parte do tempo na Europa ocidental. Sua obra acaba por provocar uma mescla de atração e repulsa no país.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Da Redação
Página Cinco
EFE
do UOL
Página Cinco
Página Cinco
Da Redação
Página Cinco
Da Redação
Da Redação
Página Cinco
Página Cinco
UOL Jogos
Página Cinco
Página Cinco
Da Redação
Página Cinco
Página Cinco
Da Redação
Página Cinco
Página Cinco
UOL Jogos
Da Redação
do UOL
Página Cinco
UOL Entretenimento - Imagens
Página Cinco
EFE
Página Cinco
Blog do Barcinski
Página Cinco
UOL Jogos
Página Cinco
do UOL
Página Cinco
do UOL
Da Redação
Página Cinco
AFP
do UOL
Página Cinco
Da Redação
EFE
Página Cinco
Da Redação
Blog do Barcinski
Página Cinco
Reuters
Da Redação
BBC
Página Cinco
Topo