Entretenimento

Fechamento de Coliseu e Fórum Romano causa indignação em Roma

18/09/2015 16h21

Roma, 18 Set 2015 (AFP) - As autoridades italianas reagiram com indignação nesta sexta-feira ao fechamento inesperado por quase quatro horas do Coliseu e do Fórum Romano para uma reunião sindical, e anunciaram medidas para evitar danos ao turismo.

"A cultura não pode ser sequestrada. Hoje aprovaremos um decreto especial", ameaçou o chefe de governo da Itália, Matteo Renzi, ao anunciar uma lei que estabelece que os museus e sítios arqueológicos sejam considerados "serviços públicos essenciais", com uma regulamentação do direito de greve específico.

"Feriram a cidade", lamentou o prefeito de Roma, Ignazio Marino, comprometido em uma campanha de medidas para melhorar os serviços da capital após duras críticas recebidas tanto a nível nacional como internacional.

"O copo está cheio", escreveu em tom indignado o ministro da Cultura e Turismo, Dario Franceschini, que apoia a medida de Renzi.

A assembleia sindical dos funcionários do Coliseu - um dos monumentos mais visitados da Itália, que recebe 6 milhões de pessoas ao ano - provocou inúmeros protestos dos turistas, que não haviam sido informados sobre o fechamento.

Esta não é a primeira vez que empregados dos principais monumentos e sítios arqueológicos da Itália, como o de Pompeia, perto de Nápoles (sul), decidem fechar as portas por razões sindicais, impedindo a entrada dos visitantes.

"Já houve outras ocasiões em que sítios arqueológicos muito visitados de nosso país foram fechados para os visitantes de todo o mundo sem que nada fosse feito. Devemos respeitar nossos turistas", lamentou Bernabò Bocca, presidente da Associação Italiana de Hotéis e Turismo.

"Ninguém nos avisou antes. Este é meu último dia em Roma, e comprei as entradas para visitar o Coliseu esta manhã porque viajo à tarde. E agora isso, está fechado", reclamou a francesa Paule, procedente de Paris.

Além do Coliseu, estavam fechados os monumentos vizinhos a ele: o Fórum Romano, o Palatino e as termas de Diocleciano, o que gerou o caos no coração de Roma.

"Era uma assembleia legítima", rebateu Susanna Camusso, secretária-geral do maior sindicato do país, CGIL, que criticou a tendência atual de impedir qualquer protesto e "limitar a democracia".

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo