Topo

Livros e HQs

Autor de "Millennium 4" diz que escreveu em estado "maníaco-depressivo"

Divulgação
Capa do livro "Millenium: A Garota na Teia de Aranha", de David Lagercrantz Imagem: Divulgação

De Estocolmo (Suécia)

26/08/2015 10h58

O sueco David Lagercrantz confessou nesta quarta-feira (26) que escreveu o quarto livro da série "Millenium", "A Garota na Teia de Aranha", que será lançado 11 anos depois da morte de seu criador, em um estado "maníaco-depressivo".

Na véspera do lançamento em 25 países, sob o olhar atento da editora Eva Gedin, Lagercrantz confessou diante de 30 jornalistas estrangeiros o medo que sentiu ao dar prosseguimento à obra de Stieg Larsson.

"Estava aterrorizado, eu dizia há muito tempo que era bipolar, em um estado latente, e acredito que foi uma coisa boa para escrever este livro", contou o autor, que deu continuidade à saga do jornalista Mikael Blomkvist e da hacker Lisbeth Salander, interrompida após a morte de Larsson.

"Não era a pessoa mais fácil para conviver porque estava pensando o tempo todo nisto. Tinha medo todos os dias de não estar à altura", admitiu o escritor, visivelmente ansioso a respeito da recepção do livro.

Larsson, autor da série, morreu de maneira repentina em 2004, vítima de um ataque cardíaco aos 50 anos.

Ele não conseguiu desfrutar o sucesso de sua série, que virou um fenômeno mundial, com quase 80 milhões de exemplares vendidos, e que inspirou duas adaptações para o cinema, uma na Suécia e outra em Hollywood.

"Os Homens que não Amavam as Mulheres", "A Menina que Brincava com Fogo" e "A Rainha do Castelo de Ar", a trilogia de Larsson, também fez muito sucesso no Brasil.

Em um cenário preparado para a ocasião, Lagercrantz destacou o "grande amor" que sente pela obra. "Eu sonho em ser Mikael Blomkvist. É um cara simpático, com bons valores", afirmou o autor.

Disputa de herdeiros

Na primeira fila, Erland Larsson, pai do escritor morto, acompanhou a entrevista coletiva de lançamento, alternando o olhar sério com momentos de interesse pelo projeto.

Erland e seu filho Joakim Larsson eram os herdeiros oficiais do escritor, enquanto sua companheira, Eva Gabrielsson, com quem viveu por 32 anos, se viu relegada ao segundo plano. Ela acusou o pai e o irmão de Stieg Larsson de má administração.

Há alguns meses, Gabrielsson, que nunca chegou a um acordo com a família Larsson, expressou as divergências com os negócios gerados pela série "Millenium".

"Alguém diz que os heróis devem seguir vivos, mas isto é bobagem, porque de fato a questão é o dinheiro. Há uma editora que precisa de dinheiro e um escritor que não tem nada para escrever, exceto uma cópia do que outros fazem", disse em uma entrevista à AFP.

Mistério sobre o lançamento

Segunda os herdeiros, o fato de poucas pessoas terem sido autorizadas a ler a obra antes do lançamento é algo muito bom.

"Eu o guardei na minha mesa por uma semana antes de abrir. Tinha medo. Mas quando comecei a ler, foi impossível parar", contou à AFP Joakim.

Para a editora Norstedts, Lagercrantz, especializado em esporte e conhecido por ter escrito a biografia do jogador de futebol Zlatan Ibrahimovic, era o candidato perfeito para escrever o livro.

"Esta foi a grande paixão da minha vida e agora vocês podem julgar se tive êxito ou não, mas Deus sabe que dei o máximo", afirmou.

Apesar de todo o mistério antes do lançamento da obra, que teve o conteúdo liberado apenas para um grupo reduzido de pessoas, nesta quarta-feira um quiosque da estação de Estocolmo tinha um exemplar, antes da editora autorizar a venda nas livrarias.

"Ficou à venda apenas por cinco minutos e parece que apenas um exemplar foi vendido", disse à AFP a porta-voz da Norstedts, Jessica Bab Bonde.

O lançamento mundial da obra terá 2,7 milhões de cópias, 500 mil delas apenas para o mercado dos Estados Unidos. No total, 41 editoras compraram os direitos do livro.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Livros e HQs